Notícias

As relações Brasil-China em tempos de pandemia

Por Jorge Almeida*.

A pandemia do Coronavírus exacerbou as contradições das relações Brasil-China no governo Bolsonaro.

Em 17 de março, o deputado Eduardo Bolsonaro, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara Federal e filho do presidente da República, acusou a China de ser culpada pela pandemia do coronavírus e de ter escondido a sua existência, comparando com a censura da “ditadura soviética” no caso do acidente na usina nuclear de Chernobyl.

Em resposta, o embaixador da RPC (República Popular da China), Yang Wanming, tuitou que a parte chinesa “repudia veementemente as suas palavras e exige que as retire e peça uma desculpa ao povo chinês” e que Eduardo Bolsonaro imitava Donald Trump, tendo contraído um “vírus mental” em sua recente viagem a Miami.

O Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, se manifestou oficialmente em defesa do deputado exigindo uma retratação do embaixador chinês, agravando os atritos diplomáticos e provocando especulações sobre eventuais prejuízos à economia brasileira.

O presidente Bolsonaro tentou telefonar para o presidente Xi Jinping para atenuar os atritos mas, em nota, a Embaixada da China no Brasil informou que “a parte chinesa não aceitou a gestão feita pelo embaixador Ernesto Araújo”, acrescentando que “Eduardo Bolsonaro tem que pedir desculpa ao povo chinês por sua provocação flagrante”.

A conversa só veio ocorrer no dia 24 quando, enfim, de acordo com Bolsonaro, “foram reafirmados os laços de amizade” e ampliado os “laços comerciais”.

Assim, os embaixadores de ambos países exigiram retratação da outra parte, mas, no fim das contas, ninguém pediu desculpas a ninguém e as relações continuaram sem retaliações econômicas.

Em 1º de abril, Eduardo Bolsonaro voltou à carga contra o “vírus chinês” e o Consul da China no Rio de Janeiro, Li Yang, respondeu com um artigo no jornal “O Globo” perguntando se o filho “03” do presidente é “tão ingênuo e ignorante quanto parece” e afirmando que “se algum país insistir em ser inimigo da China, nós seremos seu inimigo mais qualificado”. Mas disse que o deputado não conseguiria tornar a China inimiga do Brasil, por que “não pode representar o grande país que é o Brasil”.

Mantendo o discurso anti-China, no mesmo dia o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, postou um tuite de cunho xenófobo. Em resposta, a embaixada chinesa repudiou com “forte indignação” a declaração “absurda e desprezível”, “fortemente racista” e de “objetivos indizíveis”.

Em 22 de maio foi divulgado o vídeo de uma reunião ministerial de 22 de abril, quando Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes voltaram a atacar os chineses, mas afirmando não querer briga, pois “precisamos deles para vender” e “eles precisam de nós também”. Logo após, o embaixador chinês soltou mais uma nota, mas com conteúdo moderado, minimizando o fato.

Porém, dias depois, o filho nº 03 voltou a provocar fazendo um vídeo tendo ao fundo uma bandeira de Taiwan, como a inscrição “Viva Taiwan”.

Como vemos, as respostas dos chineses seguem a linha principal de suas relações exteriores que, de modo geral, têm sido marcadas pelo pragmatismo. Para eles, a uma única condição sine qua non para a manutenção de relações diplomáticas e boas transações econômicas com outros países, é o reconhecimento da RPC como única China e não o governo da Ilha de Taiwan.

A campanha de Bolsonaro teve forte tom antichinês, chegando ao máximo de ofensa política e simbólica àquele país quando visitou Taiwan em 2018. Os chineses acompanharam tudo com frieza, protestos moderados e articulações. E, no dia da posse, aqui estavam.

Depois da posse, seguindo pressões do grande capital brasileiro vinculado ao primário-exportador, especialmente do agronegócio e da mineração, o novo presidente alterou a sua política em relação à China passando a ser tutelado pelos setores que são um dos principais sustentáculos do seu governo, além dos militares, que também foram afirmativos na defesa de boas relações econômicas com a RPC.

Este interesse está tanto nas trocas comerciais, como na atração de mais investimentos diretos no Brasil, especialmente em infraestrutura.

Por isso, apesar de todos os conflitos existentes, Bolsonaro foi o presidente do Brasil que, no primeiro ano de mandato, se encontrou mais vezes com o presidente chinês. Foram três ocasiões, quando ocorreram diversos acordos bilaterais, principalmente econômicos.

Em um dos encontros, Bolsonaro chegou a pedir o favor de investir no leilão das bacias de petróleo que estava em curso, pois nenhuma empresa estrangeira tinha se interessado e o governo brasileiro precisava mostrar ao público resultados positivos em investimentos estrangeiros. De fato, além da Petrobrás, só a estatal chinesa CNODC investiu no leilão.

Além disso, o Brasil sediou uma reunião dos países dos BRICS e indicou para presidência do novo banco da instituição um membro do Ministério da Economia e o general Mourão também esteve na China.

As contradições estão presentes entre os próprios filhos parlamentares do presidente. Enquanto o deputado Eduardo ataca sistematicamente os chineses, seu irmão, senador Flávio, participou de uma delegação à China, tendo elogiado os anfitriões antes, durante e depois da viagem, quando visitou a sede da Huawei e dirigentes do PCCh.

Como vemos, o grande capital brasileiro, na sua histórica subordinação ao capital internacional, está pouco interessado em discursos ideológicos estratosféricos, preferindo fazer negócios e obter lucros particulares, mesmo que prejudiciais a um projeto nacional que possa romper com a dependência estrutural do país.

As relações econômicas Brasil-China começaram a evoluir nos dois últimos anos do governo FHC e cresceram bastante durante os governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff, tanto em termos de trocas comerciais como na importação de capitais chineses pelo Brasil.

Ao contrário de especulações durante o impeachment de Dilma Rousseff, no governo Temer as relações econômicas bilaterais aumentaram significativamente.

Durante a campanha de 2018 e logo após a vitória de Bolsonaro, mais uma vez especulou-se que haveria redução nas relações econômicas Brasil-China. E, com a pandemia da Covid 19, novos atritos e muitas notícias desencontradas sobre aquisição de equipamentos médicos chineses têm gerado confusões tanto à direita quanto à esquerda do espectro político.

Mas o comércio Brasil-China continua forte, mesmo em plena pandemia e troca de acusações e respostas. No primeiro quadrimestre de 2020 as exportações brasileiras para a China aumentaram 11,3%.

A xenofobia e o anticomunismo também têm sido embrulhados no mesmo pacote para reforçar os discursos mais reacionários da parte dos governantes e seus apoiadores. Isso, apesar do próprio Bolsonaro ter dito, quando estava chegando para sua visita oficial à China, até mesmo para se justificar perante sua base mais anticomunista e com tendências neofascistas, que estava “num país capitalista”.

Aliás, esta foi uma das poucas falas de Bolsonaro sobre a China que guarda relação com a realidade. De fato, desde as reformas pró mercado iniciadas pelo PCCh e o estado chinês no final dos anos 70, a RPC vem consolidando as relações capitalistas, tanto em seu interior como internacionalmente, sendo hoje grande defensora da chamada globalização e da quebra de barreiras econômicas protecionistas.

Neste sentido, tem avançado numa perspectiva de expansionismo econômico e de influência política que não tem a marca das pressões e agressões que os EUA mantém com seus parceiros voluntários ou forçados. Mas não deixa de exercer uma reprodução da dependência nos países subdesenvolvidos ou chamados de “em desenvolvimento” como o Brasil.

* Jorge Almeida é professor Associado IV do Departamento de Ciência Política e do PPG de Ciências Sociais da UFBA. Desenvolve pesquisa sobre a China, tendo realizado pós-doutorado sobre o tema como Visiting Scholar na SOAS-University of London em 2018.

Publicado em Congresso em Foco, 16/06/2020

Artigos assinados não representam necessariamente a posição deste site

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: