Notícias

Organizar a Resistência Popular e construir o PSOL como alternativa de esquerda. Tese da APS e Independentes

O VI Congresso do PSOL se realiza no curso de uma grande crise. No Brasil, enfrentamos um governo golpista que ataca os direitos conquistados historicamente pelos trabalhadores/as. No mundo, agrava-se a crise estrutural do capital e cresce, paralelamente, a extrema-direita e a resistência popular. O PSOL tem muito terreno a conquistar.

Que saiamos deste congresso mais fortes e unificados para enfrentar as lutas que virão.

 

A situação internacional e a crise econômica

  1. A crise mundial é econômica, social, ambiental, energética, alimentar, política e cultural. O capital usou vários artifícios para acumular e superá-la. Porém, as medidas tomadas agravaram as tensões, inclusive com guerras regionais e aumento da concentração da riqueza.
  2. Os EUA se enfraquecem economicamente e a Europa também vive profunda crise econômica e política. A solução da burguesia é jogar sobre a classe trabalhadora o ônus da crise com redução de direitos e benefícios sociais, privatizações e espoliação via dívida pública, isto é, mais neoliberalismo. Os ataques mudam a esfera política. Setores liberais da burguesia se enfraquecem, fortalecem-se os reacionários. O avanço da direita nos EUA e na Europa mostra isso.
  3. Além disso, a dominação imperialista alinha-se com a “guerra às drogas”. Em 20 anos, a população carcerária dos EUA quadruplicou; no Brasil são mais de 500 mil e segue crescendo, atingindo principalmente a população jovem e negra.
  4. A democracia burguesa vem se tornando mais claramente um simulacro a serviço do capital. Trabalhadores/as perdem direitos e liberdade. Mas há resistência do povo trabalhador. Crescem movimentos que constroem organizações e ações unificadas. Isso esbarra na divisão da esquerda e na cooptação de organizações tradicionais sem caráter anticapitalista, mas que têm peso nos sindicatos.
  5. O fim da URRS consolidou a restauração capitalista no Leste Europeu e a conversão capitalista da China a está tornando a maior economia do mundo, enquanto a Rússia é potência bélica e espacial. Ambas realizaram diversos acordos, o que está promovendo uma reconfiguração imperialista decorrente do fim da unipolaridade baseada nos EUA. Assim, a ascensão da China em aliança estratégica com a Rússia vai consolidando uma posição de disputa interimperialista com os EUA.

 

América Latina: entre avanços, retrocessos e resistências

  1. As lutas na América Latina (AL) levaram a conquista, com ambiguidades, de governos “populares”, cujo exemplo mais simbólico foi Chávez na Venezuela e Morales na Bolívia (simbolizando a cosmovisão indígena). Mas a crise econômica tornou ainda mais visível os limites desses projetos.
  2. Entre 2002 e 2008 cresceu a reprimarização da economia. Alguns países ainda retardaram os efeitos da recessão mundial; entretanto, a partir de 2013/2014 a crise se aprofunda. Segundo a Cepal, o PIB da região cresceu só 1,1%, abaixo da média mundial de 3%.
  3. Na Venezuela, a morte de Hugo Chávez enfraqueceu o bolivarianismo, mas o processo anterior já vinha mostrando os limites da reforma do Estado burguês, sem uma completa ruptura com o imperialismo e a dependência. Não se construindo uma saída revolucionária para a crise, a reação de frações da burguesia e do imperialismo tem agido para aprofundá-la.
  4. No caso da Bolívia e do Equador, a agenda “desenvolvimentista” de exploração de recursos naturais mantém a dependência, prejudica setores populares e aponta os limites desses governos. No Brasil e na Argentina, um “neodesenvolvimentismo” ainda mais rebaixado acabou criando as condições para a queda dos governos dos dois países.
  5. Há troca de parte desses governos por versões à direita, com o golpe no Brasil, o avanço da direita na Venezuela e a vitória de Macri na Argentina. Equador e Bolívia ajustam-se às medidas impostas pelo capital. Mas lutas de resistência seguem seu curso.
  6. Quanto a Cuba, onde a Revolução foi o fato mais importante da América Latina no séc. XX, também estão em curso reformas econômicas de mercado e está se ampliando a presença do grande capital. Mas, diferente da Rússia e China, Cuba preservou conquistas sociais e o apoio do povo. As críticas que temos ao governo cubano não ofuscam as conquistas da revolução nem a necessidade de manter a solidariedade, exigindo o fim do embargo e o fechamento da base de Guantánamo, especialmente agora com a postura de Trump, que é de recrudescimento dos ataques.
  7. Possibilidades à direita e à esquerda se abrem. Em alguns casos, a direita e a extrema direita estão aparecendo como alternativa. Cabe à esquerda disputar todos os espaços, pois a questão de “Socialismo ou Barbárie” continua atual: ou a classe trabalhadora luta pela construção da sociedade sem a exploração e a opressão do capital, ou caminharemos para a destruição dos recursos naturais e para a pobreza da humanidade.

 

A guerra na Síria

  1. A situação da Síria é diferente do período em que o governo de Hafez Al-Assad (1971-2000) tomou medidas progressivas. A guerra na Síria é a pior tragédia do século XXI. De um lado, o governo ditatorial de Bashar Al-Assad e, de outro, “facções rebeldes”, em sua maioria terroristas fundamentalistas. Bashar Al-Assad se sustenta na repressão, desde a “Primavera Árabe”, e no apoio da Rússia, Irã, Hezbollah libanês e China. Os exércitos “rebeldes” se mantêm com o apoio dos EUA e aliados. Os EUA agem para construir um ‘novo século americano’, tentando controlar áreas ricas em recursos naturais e atualizar sua política de poder no centro da Eurásia. Esse cenário recrudesceu as rivalidades EUA-Europa-Rússia-China na região.
  2. O papel progressivo do governo Sírio se perdeu nas areias do deserto. Assad dedica-se a manter-se no poder e desfere violentos massacres contra o povo. Denunciar esse genocídio não nos alinha com os EUA. Na origem da crise síria está a revolta contra uma ditadura. As forças em combate não se resumem à dicotomia entre “bons” e “maus”; “imperialistas” e “anti-imperialistas”. O PSOL deve posicionar-se em solidariedade ao povo sírio, defender alternativas diplomáticas e multilaterais e um processo pacífico de transição para uma república civil, democrática e laica, permitindo a organização da classe trabalhadora e a construção futura de uma alternativa popular.
  3. Existe também a questão do Curdistão, com uma longa e histórica luta por sua independência e constituição de um estado soberano, que deve ser apoiada pelo PSOL.

 

Europa: refugiados, extrema-direita e a resistência dos/as trabalhadores/as

  1. As eleições na Europa têm sido influenciadas pela questão dos refugiados, impulsionada pela guerra da Síria. A crise econômica, marcada pela crescente retirada de direitos da classe trabalhadora e o desemprego, geram fortes tensões.
  2. Outro evento tem abalado o continente: a vitória do Brexit, com a força do discurso xenófobo. A vitória do Brexit reflete a crise econômica, com a desindustrialização da Grã-Bretanha, o corte de direitos e benefícios sociais e o crescimento da xenofobia nos setores mais prejudicados. Apesar de integrar a UE, o Reino Unido não fazia parte da zona do Euro, não sofrendo automaticamente com as medidas do Banco Central Europeu. Agora a provável taxação das exportações britânicas para a UE e as dificuldades com Trump podem ampliar a crise.
  3. A existência do Reino Unido e da União Europeia está ameaçada. É inegável que o Brexit fragiliza o bloco continental e coloca em xeque a globalização imperialista. A extrema direita está capitalizando o resultado do plebiscito, e o discurso protecionista, xenófobo e nacionalista de direita ganhou força.

 

Os EUA na era Trump

  1. Contrariando as previsões, Donald Trump derrotou Hilary Clinton, mesmo sem maioria eleitoral. Uma figura caricata está no governo da maior potência imperialista. As consequências desse cataclisma não estão definidas, mas Trump tem mantido, em parte, sua heterodoxa plataforma. Ele conseguiu galvanizar a revolta dos segmentos que se precarizaram em razão da crise econômica (2008). O discurso foi marcado pelo nacionalismo de direita, xenofobia, machismo e lgbtfobia. Agora, volta-se para o desmonte de acordos comerciais e retirou os EUA do Acordo de Paris. Quer retomar a industrialização interna, desfazendo-se do que considera entraves para isso, jogando água no moinho da instabilidade mundial. Por outro lado, já está gerando resistência popular, iniciada na posse com a Marcha das Mulheres.
  2. A crise evidencia contradições entre a tendência do capital de se expandir e romper fronteiras e os interesses de parcela das burguesias nacionais e burocracias estatais, que buscam reforçar bases políticas, estatais e territoriais próprias, como parte do processo de reestruturação do capital, visando ampliação e manutenção dos lucros.
  3. De um lado, a burguesia demonstra sua capacidade de inovação e perversidade. Do outro, a classe trabalhadora não se acomoda, com novos movimentos e correntes políticas. A resistência aos ataques da burguesia é a defesa de sua integridade. Cabe aos revolucionários atuar para avançar a consciência de classe dos trabalhadores/as, exercendo papel dirigente para acumular forças e desenvolver processos revolucionários. Enquanto houver alienação, fragmentação e eleitoralismo, não avançaremos. É preciso demonstrar que enquanto perdurar o sistema capitalista nunca viveremos em paz e com dignidade.

 

Brasil: golpe e ataques aos direitos do povo

  1. Na esteira da crise mundial, a conjuntura nacional aponta para a continuidade da crise econômica, com tendência de aumento da repressão aos movimentos populares.
  2. O golpe jurídico-parlamentar somou o desejo de políticos corruptos – em parte composto de ex-aliados do PT – aos de membros da burocracia jurídico-policial. Porém, a destituição de Dilma se viabilizou quando o grande capital nacional e internacional apoiou o impeachment (fim de 2015), associado à perda de base social de Dilma/PT, depois do estelionato eleitoral de 2014.
  3. O golpe veio para atacar direitos dos trabalhadores/as e do povo; privatizar e desnacionalizar as riquezas nacionais; reduzir o custo da força de trabalho; destruir a natureza (animais e flora); avançar nos territórios indígenas, quilombolas e de campesinos pobres; cortar verbas e privatizar a educação, saúde, previdência e cultura; implementar políticas contra as mulheres, negros/as e LGBTI.
  4. O esgotamento do neodesenvolvimentismo e da conciliação de classe do PT, o impeachment de Dilma e a ilegitimidade do novo governo expressam uma crise política e institucional. Mas não há crise da hegemonia burguesa, pois os agentes deste regime, mesmo com desgaste, continuam dando as cartas, e as principais frações do capital mantêm seus interesses e avançam na reorganização do Estado. Por outro lado, mesmo com grande desgaste do governo, não há uma alternativa forte e visível de caráter contra-hegemônico.
  5. Coloca-se como necessária a formação de um campo alternativo de esquerda com ampla base social. O PSOL deve atuar nesse sentido. A falta de legitimidade do Congresso Nacional e da Presidência da República é visível na rejeição às medidas impopulares e antinacionais dos golpistas.

 

Resistência popular e instabilidade política

  1. Antes do golpe, intensificava-se a resistência popular (greves; ocupações; mobilizações estudantis; lutas dos negros/as, mulheres, LGBTI, etc.). As jornadas de Junho de 2013, especialmente o momento progressista, foram o epicentro dessa mudança. A base popular, mesmo parte que sustentou os governos do PT, exigia direitos não garantidos. De um lado, cresceram os segmentos à esquerda do PT, com destaque para o PSOL e o MTST; de outro lado, cresceram setores à direita, como MBL e Bolsonaro.
  2. Esse descontentamento difuso atravessava as classes sociais. Empresários ficaram descontentes com Dilma; o capital financeiro questionava a capacidade do Estado de “pagar” a dívida pública; parte da classe média perdia renda e status; trabalhadores sentiam o custo de vida e a estagnação salarial.
  3. As eleições de 2014 foram marcadas pelo desgaste de Dilma/PT, que foi em parte revertido na campanha que enfatizava garantia de direitos, atacando-os logo depois de eleita. O desgaste acumulado, somado ao estelionato eleitoral e à corrupção, deixou Dilma em “suspensão”: sem base social, sem confiança de frações do capital; sem sustentação no Congresso Nacional; e provocando a recessão.
  4. Soma-se ao quadro a Lava Jato, que chegava ao coração do governo atuando como força política: estabeleciam objetivos, atacavam seus adversários centrais, preservavam seus aliados e se articulavam com movimentos de direita e a grande mídia.
  5. Até o final de 2015, a burguesia encontrava-se dividida, mas ainda principalmente contrária ao impeachment. Porém, o governo não se mostrava forte para continuar as reformas regressivas que Dilma tinha começado; assim, o grande capital aproveitou-se da oportunidade para radicalizar as reformas. A tese do impeachment ganhou força e unificou as principais frações da burguesia.
  6. As forças democráticas e de esquerda não reagiram à altura e setores de esquerda se mostraram desconectados dos acontecimentos ao não verem o golpe principalmente como uma radicalização dos ataques contra o povo e as riquezas nacionais.
  7. O governo golpista de Temer não estabilizou a política e a economia. Continuou atacado pela Lava Jato, mostrando não ter controle político centralizado. O governo conta com o apoio das principais frações do capital no Brasil, mas os indicadores econômicos não se recuperam e o desemprego atinge 14 milhões de pessoas. Sua popularidade é a pior da história do país.
  8. O governo já aprovou as reformas do Ensino Médio, a EC 95 (que congela os gastos sociais por 20 anos) e a trabalhista. Mas estas continuarão enfrentando resistência na sua aplicação, como nas grandes manifestações de março, construídas em ampla unidade de ação e que foram decisivas para construir a Greve Geral de abril.
  9. Também em abril ocorreu o Acampamento Terra Livre (ATL), que reuniu em Brasília o maior número de lideranças indígenas de sua história, fortalecendo a luta indígena numa conjuntura de ataques frontais contra seus territórios e direitos.
  10. O “Ocupa Brasília” de 24 de maio reuniu mais de 150 mil pessoas, ainda mostrando força da classe trabalhadora. Já a greve de junho não obteve o mesmo êxito. Foi desarticulada pelas centrais à direita, a exemplo da Força Sindical, e contou com a vacilação da CUT e CTB, que não jogaram peso. Praticamente não houve paralisação de setores estratégicos e as mobilizações foram frágeis. As centrais do campo combativo, CSP-Conlutas e Intersindical, apostaram na construção da nova greve, mas esbarraram no corpo mole das outras centrais.
  11. A resistência da classe trabalhadora não foi suficiente para derrotar a Reforma Trabalhista, mas pode derrotar a Previdenciária, desde que haja unidade de ação, evitando o uso do movimento para articulações eleitoreiras e burocráticas.

 

Divisões e impasses na coalização golpista

  1. A burguesia no Brasil (nacional, internacional ou associada) quer novo ciclo de acumulação de capital. Faz movimentos articulados: aprofunda a integração subordinada nacional às cadeias produtivas globais, com o achatamento do custo da força do trabalho. De outro lado, querem garantir que a arrecadação do Estado não seja usada para políticas redistributivas. A EC 95 é o mecanismo para reservar os fundos públicos para pagar a dívida, abrindo espaços para a privatização da saúde, previdência e educação.
  2. O novo governo e a elite política burguesa e corrupta agem na tentativa de “estancar a sangria” e se proteger de condenações. Mas a delação da JBS ampliou a instabilidade do governo Temer num momento em que a grande mídia não é unanime no apoio ao governo e o PSDB ficou dividido. Temer perdeu parte de sua base congressual e usa de todo o fisiologismo para barrar a denúncia da PGR. Mas o fato é que, com Temer ou sem Temer, o mais importante para o grande capital é a defesa das reformas.
  3. Há fissura da coalização golpista. Parte das reformas exigidas pelo grande capital pode não se viabilizar, mas faltam alternativas confiáveis. A chamada classe média não se coloca ativamente nas ruas contra as reformas. Isso não deve ser confundido com apoio ao governo, mas sim com insatisfação passiva. O “partido da burguesia” encontra-se dividido: substitui o governo pela via indireta? Investe em uma alternativa estável em 2018? Está em aberto se haverá um acordão, salvando a pele das elites políticas, inclusive a do PT.
  4. A tendência é que se combinem crise econômica, instabilidade política e ataque aos direitos do povo. Ainda há a Lava Jato, que já sofre as pressões de setores políticos e midiáticos para que haja controle das investigações e/ou restrição das delações premiadas.
  5. Nesse contexto, PT conquista espaço buscando politizar a condenação de Lula. Mas PT e Lula atuam em dois caminhos: nas ruas defendem as Diretas Já, com vacilações; ao mesmo tempo, articulam acordos “por cima”. Nessa ambiguidade, buscam apoio em frações do capital frustradas com Temer e não se comprometem com a reversão das reformas.
  6. Com a crise, surgem alternativas “salvadoras da Pátria”. Ora ultraliberal e negando a política (Dória), ora de perfil autoritário (Bolsonaro). Um golpe militar não é o cenário mais provável, mesmo tendo alguma expressão social, e deve ser combatido pelas forças democráticas, especialmente as de esquerda.

 

A saída da crise pela esquerda

  1. O povo está em luta por seus direitos, mas só haverá êxito se avançar a unidade das forças políticas contrárias à ofensiva do grande capital. A tarefa dos partidos, movimentos e organizações populares é derrotar o governo Temer. É preciso lutar por Eleições Diretas e Gerais Já. Eleições indiretas fortalecem alternativa de poder do capital. Eleições diretas só para presidente é forjar um executivo subordinado a um Congresso elitista e corrupto. E colocar só o Fora Temer é reforçar uma saída burguesa autoritária. Mas a luta não pode nem deve submeter-se aos interesses eleitorais de Lula e do PT.
  2. O PSOL deve afirmar que o povo deve decidir os rumos da nação. É tarefa da esquerda lutar para barrar e reverter os retrocessos econômicos e sociais e apresentar uma alternativa de esquerda que rompa com o extremo neoliberalismo de Temer e o limitado neodesenvolvimentismo do PT. O PSOL deve agir com dois objetivos: 1) impedir ao máximo possível as reformas, assim como alternativas políticas “salvadoras da pátria”/autoritárias; 2) construir uma alternativa verdadeiramente de esquerda com base social e protagonizada pelos/as trabalhadores/as organizados/as.
  3. É fundamental um projeto baseado num programa de caráter democrático e popular, que distribua riqueza e democratize a política. Um projeto dirigido pelos trabalhadores/as que se organize nos eixos anti-imperialista, antimonopolista, antilatifundiário, democrático radical, ecossocialista, contra todas as opressões e em transição ao socialismo. É o que veremos adiante.

 

Lutar hoje para construir um novo amanhã

  1. Lutar e fortalecer todas as mobilizações contra as políticas e reformas regressivas (trabalhista e previdenciária) e em defesa das liberdades democráticas.
  2. Estar à frente das lutas específicas dos trabalhadores/as e do povo. Fortalecer a atuação do partido na CSP-Conlutas e Intersindical.
  3. Dar apoio ao chamado do Fórum dos Servidores Federais (FONASEFE) e o Fórum das Centrais Sindicais pela construção da unidade de ação.
  4. Preparar nova Greve Geral e fortalecer as ações conjuntas com a Frente Povo Sem Medo (FPSM) e a Frente/Bloco de Esquerda Socialista, além da CSP-Conlutas, a Intersindical, o MTST e todos dispostos a lutar pelos direitos do povo.
  5. Unificar as lutas em defesa dos direitos originários dos povos indígenas.
  6. Unificar as lutas contra os ataques às Comunidades Quilombolas dos setores conservadores e do Estado.
  7. Unificar as lutas contra a guerra das classes dominantes à juventude negra, via “guerras às drogas” e superencarceramento.

 

Entre as lutas imediatas, destacamos:

  1. CONTRA OS ATAQUES E EM DEFESA DOS DIREITOS DO POVO!
  2. FORA TEMER E QUALQUER OUTRO QUE O SUBSTITUA DE MODO ILEGÍTIMO E INDIRETO. Não reconhecer nem a legalidade nem legitimidade deste governo golpista e deste Congresso corrupto para impor uma saída para crise e promover retrocessos. Cadeia para todos os corruptos;
  3. ELEIÇÕES DIRETAS E GERAIS JÁ! Sem financiamento privado e com financiamento exclusivamente público, com regras democráticas e com tempo de TV e rádio distribuídos democraticamente; contra as cláusulas de barreira, as coligações proporcionais e o voto distrital;
  4. Nova Greve Geral por emprego e salário, contra o ajuste fiscal e a retirada de direitos;
  5. Não às reformas regressivas;
  6. Contra as privatizações, Caixa Econômica e Petrobras 100% estatais, e contra a privatização do Pré-Sal;
  7. Em defesa dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos, camponeses pobres, atingidos por barragens, assim como o meio ambiente (animais e flora) contra as agressões dos latifundiários do agronegócio que usam milícias têm e respaldo estatal. Reforma Agrária antilatifundiária;
  8. Demarcação Já das Terras Indígenas já homologadas (de propriedade definitiva) como T.I. Raposa Serra do Sol, T.I. Yanomami, T.I. Pataxó. Não à PEC 215.
  9. Não à ADI-3239, que pede a inconstitucionalidade do Decreto 4.887/03, revogando os títulos das comunidades quilombolas.
  10. Pela aprovação e efetivação de medidas contra o encarceramento em massa, por um novo tipo de sistema jurídico-penal!
  11. Contra as ações de intolerância às religiões de matrizes africanas e pela defesa do Estado Laico.
  12. Reforma Urbana popular contra a gentrificação e em articulação com os movimentos sociais.
  13. Contra as leis obscurantistas, como o “Escola sem Partido”, que perpetuam o machismo, o racismo e a homofobia e outras ideologias reacionárias. Por uma escola sem mordaça;
  14. Apoio e participação nas lutas contra as opressões (mulheres, negros/as, LGBTTI e contra a intolerância religiosa);
  15. Pela auditoria e suspensão do pagamento da dívida pública;
  16. Pela democratização dos meios de comunicação;
  17. Contra a criminalização das lutas! Pela garantia das liberdades democráticas; nenhuma punição aos lutadores do povo;
  18. Abaixo a Reforma do Ensino Médio! Resistir impedindo sua aplicação nas redes;
  19. Defesa de candidatura própria do PSOL à Presidência da República numa frente verdadeiramente de esquerda;
  20. Oposição de Esquerda e construção de uma alternativa verdadeiramente de esquerda, democrática e popular dos/as trabalhadores/as, rumo ao socialismo!

 

A questão do programa e as eleições de 2018

  1. O Brasil é plenamente capitalista e tem um estado burguês instituído e, nesse sentido, não haverá revolução que não seja revolução socialista. Para realizar essa revolução é preciso acúmulo de forças que virá da luta em muitos espaços, até que haja condições para a ruptura revolucionária. O programa que apresentamos deve ser parte de uma estratégia de luta por fora e por dentro do Estado. A luta direta das massas é nossa prioridade para que se construa uma práxis revolucionária. O programa tem como objetivo orientar nossa luta pelo socialismo, uma sociedade sem exploração, opressão e dominação de classe, gênero, raça, etnia, religião, orientação sexual.
  2. O programa é a mediação entre elementos econômicos e superestruturais mais permanentes, com o nível de consciência dos trabalhadores/as. Se as condições objetivas indicam que é possível a revolução socialista, as condições subjetivas é que indicam os objetivos táticos e as formas de luta prioritárias. Assim se constrói uma nova hegemonia. Devemos encontrar no povo elementos de crítica, de resistência e de utopia, que podem avançar até uma consciência de classe revolucionária. A auto-organização popular é um dos objetivos centrais para a revolução.
  3. No país e no período em que vivemos, a luta revolucionária exige também a intervenção no Estado. Nossa atuação na institucionalidade deve mostrar o que somos e melhorar as condições de vida do povo. Mas essa não é uma tarefa “para o povo”. Trata-se de ampliar a disputa de hegemonia na sociedade, o que exige crescente participação popular nas decisões de governo.
  4. Essa atuação não deve ser “melhorista”, focada em conquistas parciais. Nosso objetivo é a ruptura com essa institucionalidade. As conquistas parciais mostram nossa diferença e incentivam a organização do povo, mas devem também mostrar os limites que esta ordem impõe. Entretanto, parte do PSOL prioriza a via institucional, nos mantendo reféns de uma institucionalidade feita para reproduzir interesses das classes dominantes. Devemos combater a burocratização, o pragmatismo eleitoral, o rebaixamento programático e o descolamento estratégico da ação institucional.
  5. Para fazer a mediação entre o nosso objetivo, a correlação de forças e o nível de consciência do povo, é preciso um programa de transição. Este é o programa Democrático Popular, que tem como sujeito dirigente os trabalhadores e nada tem a ver com alianças com a burguesia nacional e vertentes do nacional desenvolvimentismo. Esse programa sustenta-se nos eixos anti-latifundiário, anti-monopolista, anti-imperialista e democrático radical, no ecossocialismo e no combate a todas as opressões, e visa a transição ao socialismo.
  6. Sabemos que a conquista do Governo Democrático e Popular não está no horizonte imediato. Mas ele deve orientar as diretrizes de governo em nossa campanha de 2018. Isso é importante, pois no PSOL existe uma ação da maioria burocrática da direção, que quer tirar do programa seu papel de transição ao socialismo.
  7. O PDP serve de orientação para nossa ação nos movimentos sociais e no Estado. Devemos realizar uma intervenção política contextualizada com o nível de consciência do povo, mas não podemos rebaixar seus fundamentos e eixos. Para o processo de ruptura e transição é necessário construir um novo poder dos/as trabalhadores/as e do povo, que só será possível com o avanço generalizado de consciência e organização.
  8. Tornou-se comum afirmar que a derrocada do PT está associada à aplicação de um programa democrático e popular. Afirma-se que esse programa seria responsável pela conciliação de classes dos governos de Lula/Dilma. Essa interpretação ignora a história real, pois na realidade o PT abandonou completamente o programa democrático e popular em troca de um programa social liberal, da conciliação de classes, do neodesenvolvimentismo, e políticas sociais compensatórias. O PDP, ao contrário disso, visa articular, sob a direção dos setores mais avançados da classe trabalhadora, os que vivem do trabalho, setores médios e todas/os os/as oprimidos/as em contradição com a grande burguesia monopolista nacional e internacional. Não é imediatamente socialista, mas de transição ao socialismo, dentro das condições socioeconômicas nacionais e internacionais. Busca desenvolver um processo contra-hegemônico, acumulando forças para derrubar o poder burguês, promovendo a transição ao socialismo.

 

PSOL: democracia interna, conquistas e desafios.

  1. O PSOL nasceu como resposta à direitização do PT e à estreiteza do PSTU. Se antes havia riscos de uma dinâmica sectária, o problema principal passou a ser o eleitoralismo e a falta de critérios para a filiação, que permite a entrada de oportunistas. É necessário defender o PSOL dessas movimentações e torná-lo canalizador da resistência popular. Os recentes desempenhos eleitorais do PSOL (2014 e 2016) mostraram que isso é possível.
  2. O partido precisa de enraizamento; de ação unitária nos movimentos; de superação de ambiguidades na relação com o petismo; de ruptura das práticas autoritárias do campo burocraticamente majoritário. Apesar dos limites, avança uma imagem positiva do PSOL. Melhora também o sentimento de pertencimento ao partido. Está posta a possibilidade de crescermos nos movimentos sociais e ampliarmos nossa base política e eleitoral.
  3. O PSOL deve valorizar a militância real e filiações politizadas, e não as filiações arrastadas pela máquina de prefeituras, como no Amapá. Nem de filiações numa lógica do fundamentalismo religioso, como o deputado Daciolo e o vereador Renato Geske (Florianópolis).
  4. O PSOL elegeu um prefeito de capital em 2012, mas continua sem referência diferente. Em Macapá, repetiram-se práticas que combatemos no PT e até na oposição de direita, com quem se aliou. Em 2016, Clécio foi para a Rede, mas continuou controlando o partido. O PSOL não teve candidato e o apoiou em sua aliança com partidos da direita (como o DEM), e continua na prefeitura.

 

PSOL Socialista, Democrático, de Lutas e de Massas

  1. É preciso ter uma política de oposição de esquerda ao governo Temer, mas sem renunciar ao balanço crítico da experiência do PT. O partido não deve vacilar: devemos afirmar nossa oposição de esquerda às práticas de governo do PT e a uma eventual candidatura de Lula.
  2. Em 2018 o PSOL não pode se aliar com legendas de aluguel, com o PT ou partidos da base do governo golpista. Precisamos avançar na prática de campanhas políticas de mobilização da militância.
  3. Para que haja democracia é preciso acabar com as práticas autoritárias, manipuladoras, burocráticas e fraudulentas que estão presentes nas instâncias nacionais, estaduais e municipais. Tivemos a intervenção autoritária no setorial de mulheres, que era ativo e democrático, não solucionada até hoje. É preciso funcionamento orgânico das instâncias, que precisam se reunir com regularidade e planejar suas ações. Ter também política de finanças que garanta a contribuição militante, evitando dependência do fundo partidário, de cotas parlamentares e doações de empresas.
  4. Para unificar a ação é preciso políticas gerais e específicas definidas democraticamente, e construir os setoriais. Isso nos leva a apoiar as contribuições setoriais, especialmente as construídas coletivamente pelos militantes, como a de ecossocialismo, negras/os e mulheres.

 

 

Julho de 2017

 

Ação Popular Socialista (APS) e Independentes.

 

Amapá

  1. Cristiane do Socorro Monteiro Barbosa – PSOL de Macapá e movimento de professores.

 

Amazonas

  1. Adilson Maia Rosa – Professor
  2. Ana Jéssica Martins de Medeiros – Estudante
  3. Carlos Augusto dos Santos – Secretário de Nucleação e filiação do Diretório Municipal
  4. Ely Sena de Almeida – Professora da Ufam
  5. Erickson Moraes de Medeiros – Professor
  6. Erika Maíra Moraes de Medeiros – Fonaudióloga
  7. Francisco Araújo de Vasconcelos Filho – Estudante
  8. Gerson Gonçalves de Medeiros – Secretário de Organização Estadual do PSOL
  9. Hércules Castelo Branco Dias – Secretário do PSOL de Iranduba.
  10. Jimmi Carter Santarém Barroso – Presidente Municipal do PSOL de Boa Vista do Ramos
  11. João Maciel da Silva – Presidente Municipal do PSOl de Iranduba
  12. José Benedito dos Santos – Secretário de Comunicação do PSOL de Humaitá
  13. Luiz Carlos Sena – Zootecnista.
  14. Luiz Silva dos Santos – Analista de Sistema
  15. Maurí Maurílio dos Santos – Secretário Sindical do PSOL de Humaitá
  16. Maurílio Benedito dos Santos – Presidente Municipal do PSOL de Humaitá
  17. Paulo Renê Pimentel Gonzaga – Secretário do PSOL de Boa Vista do Ramos
  18. Ricardo Rodrigues Jerônimo – Advogado

 

Bahia

  1. Adeilda dos Santos Souza – PSOL Candeias e Movimento Docente
  2. Adeilson Ribeiro Moreira – PSOL Ilhéus e Assentado
  3. Adil Sousa Oliveira – Presidente Municipal do PSOL de Barra do Choça
  4. Adriana Franco de Queiroz – PSOL Salvador e Professora FACED/UFBA
  5. Ailton Pinheiro Santos – Presidente PSOL Caetité;
  6. Alan Cordeiro De Jesus – PSOL Santo Amaro
  7. Alessandra Santos Almeida – PSOL Salvador e Vice Presidenta do Conselho Regional de Psicologia / BA
  8. Alessandro Gomes Santana – Presidente Municipal do PSOL de Arataca e Servidor Público
  9. Alexsandro De Santana Costa – PSOL Santo Amaro
  10. Alisson Batista Correia – PSOL Santo Amaro e Movimento Estudantil
  11. Alisson Sousa – PSOL Feira de Santana
  12. Ana Cleide Batista Santos – Secretária Geral do PSOL de Cardeal Da Silva
  13. Ana Lucia Silva – PSOL de Lauro de Freitas e Movimento Quilombola
  14. Ana Vaneska Almeida – PSOL de Salvador, Movimento de Cultura e Popular e Vice Presidenta do Conselho Estadual de Cultura
  15. Anderson Luan Soares; Professor Geografia, PSOL Barreiras;
  16. Anderson Silva – Salvador; Coletivo Educar na Luta;
  17. André Da Silva Marques – PSOL de Santo Amaro
  18. Antonilza dos Santos – PSOL Lauro de Freitas e Ativista Social
  19. Antônio Carlos Cardoso Dos Santos – PSOL de Camaçari
  20. Antônio de Freitas – Presidente Municipal do PSOL de Barra do Mendes
  21. Antônio Maurício Brito – PSOL Salvador e Movimento Docente
  22. Antônio Roberto Santos – PSOL de Vitoria da Conquista e Suplente do Diretório Estadual
  23. Antônio Wesley Da Silva Cardoso – Coordenador do Setorial de Juventude do PSOL Cardeal Da Silva
  24. Aretha da Silva dos Santos Grêmio – PSOL Lauro de Freitas, Estudante IFBAIANO e Grêmio Estudantil;
  25. Aristóteles Lima Santana – PSOL Paulo Afonso e Movimento Docente
  26. Artur Luchese – PSOL Feira de Santana
  27. Ayglê Portela – PSOL Salvador e Diretora do Departamento Jurídico SINTTEL;
  28. Bernardo Ribeiro Do Nascimento – Presidente Municipal do Psol de Santo Amaro e Militante Da Educação
  29. Bruno Tito – PSOL Salvador e Coordenador do Núcleo baiano da Auditoria Cidadã da Dívida
  30. Carla Grazielle Silva Santos – PSOL Dias D’ávila
  31. Carlão de Oliveira – PSOL Salvador e Jornalista.
  32. Carlos Alberto Patrocínio Junior – PSOL Salvador e Movimento Sindical
  33. Caroline de Araújo Lima – Porto Seguro, Vice Presidenta ANDES NE III e Executiva ADUNEB (Associação dos Docentes da Universidade Estadual da Bahia)
  34. Cecília Dasdores de Souza Silva – PSOL Salvador e Coordenação do Mandato da Resistência
  35. Celiston Dos Santos – PSOL Santo Amaro
  36. Cesar Carneiro – PSOL Salvador e Coletivo Educar na Luta
  37. Cíntia Lima – PSOL de Eunápolis, militante feminista e do movimento estudantil da UNEB
  38. Cléber Souza Santos – PSOL Salvador e Professor
  39. Cléo Emídio – Tesoureiro Municipal do PSOL Feira de Santana e Movimento Docente
  40. Daiane De Jesus Lima – PSOL Dias D’ávila
  41. Daniela de Jesus Ferreira – PSOL Feira de Santana e Núcleo de Mulheres do PSOL Feira de Santana;
  42. Danilo Pereira dos Santos – Diretório Municipal do PSOL de Salvador
  43. Davi Mendes Leite – PSOL Feira de Santana e Juventude
  44. David Costa Rehem – PSOL Salvador e Movimento Docente
  45. Denilson Campos Neves – PSOL Salvador e Diretor da UNIPOL Bahia
  46. Denise Andrade – PSOL Salvador, Direção do Sindjufe e Núcleo Auditoria Cidadã da Dívida
  47. Denise Souza – PSOL Salvador e Movimento de Educação
  48. Diana Araújo dos Santos – PSOL Castro Alves;
  49. Diego Cordeiro De Jesus – PSOL Santo Amaro
  50. Diego de Brito Lima – PSOL Feira de Santana e Movimento de Educação
  51. Djalma Araújo dos Santos – PSOL Candeias e Movimento Popular
  52. Doralice Cardoso da Silva – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Comerciante
  53. Ébano França – PSOL Santo Amaro – Juventude
  54. Edemir Ferreira dos Santos – Salvador e Movimento de Educação
  55. Edenilson Passos Braga – PSOL Santo Amaro
  56. Edevard Júnior – PSOL de Porto Seguro, professor da rede municipal
  57. Ediane Lopes de Santana – PSOL Porto Seguro, Direção Executiva da ADUNEB e Movimento Feminista
  58. Edmundo Conceição Do Nascimento – PSOL Cardeal Da Silva
  59. Edvan Silva – PSOL Candeias
  60. Eli Moreira de Assis – PSOL Salvador e estudante Geografia UFBA;
  61. Eliana Moreira de Assis – PSOL Salvador e Estudante de Pedagogia UFBA
  62. Elivanete Macêdo – PSOL Salvador e Coletivo Educar na Luta
  63. Elizeu Teles dos Santos – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Assentado
  64. Eliziário Andrade – PSOL Salvador e Movimento de educação
  65. Emanoel Tadeu – Executiva do PSOL Salvador e do Coletivo Educar na Luta
  66. Euvaldo Cotiguiba – PSOL Vitória da Conquista e Movimento de Educação;
  67. Fabiano Brito dos Santos – PSOL Salvador e Coordenador Geral do SINASEFE – IFBA
  68. Fábio Calisto – Educação – Feira de Santana
  69. Fábio Silva – PSOL Salvador e do Coletivo Educar na Luta
  70. Fabrícia Vieira – PSOL Barreiras
  71. Felipe Souza Neiva – PSOL Lauro de Freitas e Estudante IFBAIANO
  72. Fernanda Iasmine Do Nascimento Santos – PSOL Salvador e Núcleo baiano da Auditoria Cidadã da Dívida
  73. Fernando Monteiro – Presidente Municipal do PSOL de Seabra e Movimento de Educação
  74. Filipe Leão – PSOL Salvador, Dirigente Sindical e Militante Popular.
  75. Florisvaldo Silva de Araújo Junior – PSOL Salvador, Professor e do Coletivo Educar na Luta
  76. Francisco Cancela – Presidente Municipal do PSOL de Porto Seguro e Diretor Departamental ADUNEB
  77. Francisco Maia do Valle – PSOL Salvador e Especialista em Gestão Esportiva;
  78. Geane dos Santos Teixeira – Tesoureira do PSOL de Camaçari
  79. Geraldo Araújo – PSOL Barra do Mendes
  80. Geraldo Brito Neto – PSOL Castro Alves;
  81. Gerson Silva – PSOL Salvador e Assessoria do Mandato da Resistência
  82. Giliad Souza – PSOL Feira de Santana
  83. Gilmar Edson Souza dos Reis – Presidente Municipal do PSOL de Uruçuca Camponês
  84. Gilson Batista dos Santos – Presidente Municipal do PSOL de Poções e Movimento Negro
  85. Gilvanildo de Souza – PSOL Feira de Santana
  86. Ginaldo Farias – PSOL Feira Santana
  87. Girlane Dornelas Da Silva – Diretório Municipal do PSOL de Camaçari
  88. Gislane Junqueira Brandão – PSOL Salvador, Ativista da Causa Animal e Advogada
  89. Gissilene Cordeiro Dos Reis – PSOL Santo Amaro
  90. Glauber Leonardo – PSOL Salvador – LGBT
  91. Guilherme Folegatti Lucena de Souza – PSOL Salvador e Estudante Jornalismo UFBA.
  92. Gustavo Lubarino Lima – PSOL Salvador e Movimento Estudantil e Popular.
  93. Gustavo Vieira – PSOL Salvador Diretor SINTAJ
  94. Hamilton Assis – Diretório Municipal do PSOL de Salvador e do Movimento Negro
  95. Helena Alves Ribeiro – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Comerciante
  96. Hilton Coelho – Vereador do PSOL em Salvador – Mandato da resistência
  97. Iacy Maia Mata – PSOL Salvador, Movimento Negro e Docente
  98. Igor Oliveira – Diretório Municipal do PSOL de Camaçari e Movimento Popular
  99. Isac Tolentino – PSOL Salvador
  100. Isadora Rodrigues Valverde – PSOL Vitória da Conquista e Juventude
  101. Isolda Gumes – Diretório Municipal e Núcleo de Mulheres PSOL Feira de Santana
  102. Iuri Nobre dos Santos – PSOL Lauro de Freitas e Estudante IFBAIANO
  103. Jailton João Dos Santos – PSOL Santo Amaro
  104. Jair Francisco dos Santos – PSOL Lauro de Freitas e Ativista Social
  105. Jairo Cedraz de Oliveira – PSOL Feira de Santana
  106. Jakson Adlerme Araújo Silva – Secretário Geral Santo Amaro
  107. Jayr Figueiredo dos Santos Júnior – PSOL Feira de Santana e Coordenador do SINDJUFE/Ba
  108. Jeremias Ribeiro – PSOL Porto Seguro
  109. Jhonatas Monteiro – PSOL Feira de Santana e Movimento Docente
  110. Jivanildo De Jesus Santos – Tesoureiro do PSOL de Cardeal Da Silva
  111. João Batista dos Santos – Salvador; Movimento popular
  112. João Brito – PSOL Vitória da Conquista e Movimento Estudantil
  113. João Gabriel Alves da Silva – PSOL Salvador e Movimento Docente
  114. João Guerra – PSOL Salvador e Movimento Docente
  115. Joel Lopes da Silva – PSOL Castro Alves
  116. Joelma Gomes Ferreira – PSOL Santo Amaro e Movimento Quilombola
  117. Jorge Almeida – Salvador – Movimento docente
  118. Jorge Antônio Mendes Brito – PSOL Castro Alves;
  119. Jorge Luiz Santos – Presidente Municipal do PSOL de Ilhéus, ex-candidato a prefeito e militante em defesa da saúde pública
  120. Josadabes Souza Lemos – PSOL Ilhéus e Assentado
  121. José Caetano de Jesus Filho – PSOL Feira de Santana
  122. Josenice Nicolau Souza – Secretária Geral do PSOL de Arataca e Movimento Defesa do Meio Ambiente
  123. Juliana Guimarães Rosa – PSOL Porto Seguro ( Arraial D’ajuda) e Ativista Social
  124. Juliana Santos – PSOL Salvador – Educadora Popular
  125. Kátia Rocha Almeida – Direção Municipal do PSOL dePoções
  126. Késia Caroline da Silva Santos – Secretária Geral do PSOL Dias D’Ávila e Juventude
  127. Kleberson Alves – PSOL Salvador
  128. Kyrlian Lima – PSOL Feira de Santana e Movimento Estudantil
  129. Leilton de Jesus Santana – PSOL Dias D’Ávila
  130. Lilia Maria De Oliveira Santos – Coordenadora do Setorial de Mulheres de Cardeal da Silva
  131. Lorena Aguiar – Núcleo de Mulheres do Psol de Feira de Santana e Advogada Popular
  132. Lucas Santos Aguiar – PSOL Valença e Movimento de Educação
  133. Lucia Helena de Almeida – PSOL Salvador e Diretora do Sindados/Ba
  134. Luciana Siqueira Da Fonseca – PSOL Cardeal Da Silva
  135. Luciano Santos Silva – Tesoureiro do PSOL de Vitória da Conquista e Movimento docente
  136. Luciene Santos Dos Santos – PSOL Cardeal Da Silva
  137. Lucineide da Cruz Sena – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Assentada
  138. Luís Antônio de Araújo Costa (Papa) – Salvador – Diretor Sinasefe Nacional e seção IFBA
  139. Luís Flávio Reis Godinho – PSOL Salvador e Movimento Sindical
  140. Luis Rodolfo De Brito Gomes – PSOL Santo Amaro e Militante da Educação
  141. Luiz Cezar Miranda – Presidente Municipal do PSOL de Candeias e Movimento Popular e Sindical
  142. Luiz Claudio Santos Pereira – PSOL Camaçari
  143. Luiz Eduardo Pereira F. dos Santos (Biro Biro) – PSOL Feira de Santana e Professor
  144. Luiz Gomes Barboza Junior – PSOL Camaçari e Movimento Estudantil
  145. Luiz Junior – PSOL Salvador
  146. Maicon Alan Santos Ventura – PSOL Dias D’ávila
  147. Manoel Messias de Souza Oliveira – Secretário Geral do PSOL de Ilhéus e Movimento Comunitário
  148. Manuela Santana Nascimento – Salvador – Educação.
  149. Marcela Prest – Doula, Juventude e Núcleo de Mulheres PSOL de Feira de Santana
  150. Marciel Viana – PSOL Barreiras e Setorial Ecossocialista e Sindical
  151. Marcos Antônio dos Santos; ex-coordenador SINDJUFE/Ba, servidor TRT5;
  152. Marcos Musse – Direção Municipal do PSOL Salvador, Assessoria Mandato da Resistência, Fotógrafo e Juventude
  153. Marcos Vinicius Silva Santos – PSOL Dias D’ávila e Movimento Cultural
  154. Maria Aparecida Guimarães – PSOL Vitória da Conquista e Movimento docente
  155. Maria Augusta da Silva – PSOL Salvador e Movimento de Educação
  156. Maria Celeste Ramos – PSOL Salvador e Professora da Rede Municipal de Ensino de Salvador.
  157. Maria Conscrição Silva – PSOL Dias D’ávila
  158. Maria Rita Santos Teixeira – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Juventude
  159. Marivaldo Cerqueira – PSOL Salvador e Coletivo Educar na Luta
  160. Mauricio Santos Oliveira – Presidente Municipal do PSOL de Ibirapitanga e Movimento Comunitário;
  161. Meire Reis – Executiva Municipal do PSOL Salvador
  162. Miralva Alves Nascimento PSOL Salvador e Coordenação Estadual do Movimento Sem Teto da Bahia – MSTB
  163. Misael Da Silva Amaral – PSOL Dias D’ávila e Movimento Cultural
  164. Misael Souza – PSOL Salvador e UNIPOL/Ba
  165. Monique Maria Silva Da Cruz Borges – Tesourei do PSOL de Santo Amaro Movimento De Mulheres Negras
  166. Nádia Fonseca Cardoso de Jesus – PSOL Castro Alves
  167. Natalice Barbosa Da Silva Cavalcante –Secretária de Movimentos Sociais e Núcleo de Mulheres PSOL de Feira de Santana
  168. Nathália Lãoturco de Cravalho – Salvador – Educação
  169. Nelian Cruz Goldiman – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus e Assentada
  170. Nelson Araújo Filho – PSOL Salvador e Oposição SINDIPETRO
  171. Nelson Santana – PSOL Salvador e Movimento Popular
  172. Nilton Cesar dos Santos – Presidente do PSOL Camaçari – Movimento popular
  173. Nivaldo Ferreira (Mapele) – PSOL Salvador e Movimento Popular
  174. Normando Raimundo de Lima Júnior – PSOL Jacobina e professor do IFBA
  175. Núbia Ramalho – PSOL Salvador e Feminista
  176. Odair da Silva Guimarães – PSOL Feira de Santana, Metalúrgico e Professor
  177. Orlando Helber – PSOL Salvador e Direção SINTTEL – BA
  178. Osvaldo Cordeiro Alves – Secretário Geral do PSOL de Camaçari e Juventude
  179. Paola Dalva Mª José Mendonça Pinto dos Santos – PSOL Salvador e Música UFBA
  180. Patrícia Gonçalves dos Santos – PSOL Salvador e Assessora Parlamentar;
  181. Paula Vielmo – Presidenta Municipal do PSOL de Barreiras, Direção Estadual e Núcleo das Guerreiras do Batom Vermelho PSOL
  182. Paulo Moraes – PSOL Caravelas – Setorial Antiproibicionista
  183. Paulo Roberto Araújo dos Santos – Diretório Municipal PSOL Ilhéus e Comerciante
  184. Paulo Roberto Baqueiro Brandão – PSOL Barreiras e Professor UFOB
  185. Paulo Sérgio Ribeiro (Paulo Proposta) – PSOL Lauro de Freitas e Movimento Popular
  186. Pedro Cardoso – PSOL Salvador e Coordenação Estadual MSTB
  187. Pedro Dórea – PSOL Feira de Santana
  188. Pedro Henrique Bomfim Da França – PSOL Santo Amaro
  189. Rafael Digal – Secretário Geral Estadual do PSOL Bahia
  190. Rafaela Cardoso – Secretária de Formação Política Estadual do PSOL Bahia
  191. Rafaela Gonçalves Sousa – Presidenta do PSOL Feira de Santana
  192. Raimundo Nonato Dantas – Diretório Municipal do PSOL de Ilhéus
  193. Raíssa Caldas – Diretório Estadual PSOL e Núcleo de Mulheres do PSOL Feira de S.
  194. Raphael Fontes Cloux – Salvador
  195. Raquel Alves – PSOL Salvador e Coordenadora Pedagógica da Rede Municipal de Ensino de Salvador.
  196. Reginaldo Conceição Do Nascimento – Secretário de Comunicação do PSOL de Cardeal Da Silva
  197. Reinaldo Bispo Dos Santos – PSOL Lauro De Freitas e Quilombola
  198. Reinan Ribeiro – PSOL de Porto Seguro, dirigente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde
  199. Roberto Maroto Santos – PSOL Ibirapitanga e Comerciante
  200. Robson Dos Santos – Presidente Municipal do PSOL de Cardeal Da Silva
  201. Rodrigo Costa Araújo Souza (Juazeiro) – Advogado com atuação na área sindical
  202. Rogério Ferreira Silva Lustosa – PSOL Salvador e Direção Sinasefe IFBA
  203. Ronaldo Naziazeno – PSOL Salvador e Direção Sinasefe Nacional
  204. Rosângela Oliveira de Jesus – Secretária de Organização do PSOL de Arataca
  205. Rose Cerqueira – PSOL Cachoeira e Jornalista.
  206. Rosemeire Rodrigues Roma – PSOL Ibirapitanga, ex-candidata a prefeita, militante do movimento comunitário
  207. Rute Cristo Barbosa – PSOL Salvador e Professora da Rede Municipal de Ensino de Salvador.
  208. Rute De Jesus Lima Amaral – PSOL Dias D’ávila
  209. Sam Fogaça – PSOL Salvador e Juventude
  210. Samuel Cunha da Paixão de Jesus – PSOL Lauro de Freitas e Estudante IFBAIANO
  211. Sandro Augusto Ferreira – PSOL Itabuna e Movimento docente
  212. Sandro dos Santos Pereira – PSOL Castro Alves;
  213. Saul Rocha Miranda – Secretaria de Movimentos Sociais PSOL Irecê
  214. Sinval Silva de Araújo – PSOL Salvador, Professor IFBA e do Movimento Educação
  215. Sônia Alves dos Reis – PSOL Salvador e do Movimento Popular
  216. Suilane Gonçalves dos Santos – PSOL Salvador e Estudante;
  217. Tatiane Sacramento Pinheiro – PSOL Salvador e Professora de Historia, Educação Fundamental e Médio.
  218. Tiago Costa Gouveia – PSOL Salvador e Comunicólogo;
  219. Uheider Pires – PSOL Salvador, Psicólogo e do SINTTEL
  220. Valdir Almeida Santos – PSOL Salvador
  221. Vanderlon Santana De Araújo – PSOL Alagoinhas e Ativista Social
  222. Vanessa Cristina Matos – Direção Municipal PSOL Salvador e Coletivo Educar na Luta
  223. Vanilte Teixeira – Direção do PSOL Vitoria da Conquista e Movimento Sem Terra;
  224. Vera Lúcia Ribeiro – PSOL Castro Alves;
  225. Virgílio Sena Nery – Direção PSOL Salvador e Movimento Sindical e Popular
  226. Vitor Gama Barreto – Presidente do PSOL Jussara e Estudante UFOB e Conselheiro do CONEPE.
  227. Viviane De Jesus Gomes Oliveira – Camaçari
  228. Wagner Carlos Vieira de Carvalho – PSOL Salvador, Professor e Coletivo Educar na Luta;
  229. Wagner Moreira Campos – PSOL Salvador e Movimento Popular
  230. Wallace Silva – PSOL Feira de Santana e Movimento Popular
  231. Wendell Leão – Salvador; Educar na Luta;
  232. Yang Borges Chung – Executiva PSOL Lauro de Freitas, Professor IFBAIANO e Movimento Sindical SINASEFE Catu.
  233. Zilmar Alverita da Silva – PSOL Salvador, Executiva Nacional do PSOL, Movimento Feminista.

 

Espírito Santo

  1. Adriana Lopes da Silva – Psol de Conceição da Barra
  2. Agnaldo Mendes – Psol Vitória
  3. Ailton Angelo de Almeida – Psol de Colatina
  4. Alba Aguiar – Psol de Vitória, Advogada
  5. Ana Rosa de Souza – PSOL Santa Maria de Jetibá, coletivo Sindiupes pela Base
  6. André Moreira – Diretório Estadual do PSOL, advogados dos Direitos Humanos
  7. Andrezza Zangrandi – Psol Vitória, defensora dos animais
  8. Antônio Elias Miranda Gomes – Diretório Estadual do PSOL, As. Mor. J da Penha
  9. Aparecida Aguiar da Conceição – Psol de Conceição da Barra
  10. Bernardo Furlaneto Bragato Oakes de Oliveira – Psol de Venda Nova do Imigrante
  11. Brice Bragato – Diretório Estadual e Nacional do PSOL
  12. Bruna da Silva Amorim Bragato -Psol de Venda Nova do Imigrante, estudante IFES
  13. Bruna Gatti – Diretório PSOL da Serra
  14. Carlos pereira de Araújo -Pres. Estadual do PSOL, diretor do Sindibancários
  15. Cezar Paula – PSOL Colatina e diretor do Sind. Serv. Mun. Colatina
  16. Cláudio Merçon Vieira – Psol Vitória – bancário
  17. Daniele Miranda – Psol da Serra, comerciária.
  18. Débora Henrique de Mendonça – Psol de Vitória
  19. Décio Rezende – PSOL Colatina, diretor do Sind. Serv. Mun. Colatina
  20. Dérik Bezerra – Psol Vitória e diretor do Sindibancários
  21. Dhiego Mattos – Psol de Cariacica
  22. Diogo Patrocínio Arpini – Psol de Colatina
  23. Ederson Delaqua – Psol de Colatina
  24. Edmar dos Santos – Psol de Vitoria, Advogado
  25. Eduardo Págio Lucas – Psol Cariacica, ferroviário
  26. Elaine Rodrigues Dal Gobbo – Psol Cariacica, jornalista
  27. Elenice Pereira da Silva Lima – Psol de Vitória, protetora dos animais
  28. Eliane de Fátima Inácio – Presidente Sind. Serv. Mun. Colatina, PSOL Coaltina
  29. Eliene Conceição – PSOL Colatina
  30. Eliete Brito – PSOL Vitória, coletivo Sindiupes pela Base
  31. Emilio Gabriel – Psol de Colatina
  32. Fábio Luiz Bigati – Psol de Coaltina
  33. Fabrício Coelho – Diretório Estadual do PSOL, diretor do Sindibancários
  34. Felipe Alves dos Santos – Psol Serra
  35. Flávio Teixiera – Psol Vitória, bancário aposentado
  36. Geandro Acácio de Oliveira – Psol de Colatina
  37. Giovane Riccio – PSOL de Castelo, diretor do Sindibancários
  38. Idelmar Casagrande – PSOL Cariacica, diretor da Intersindical
  39. Iracélio Lomes – Presidente PSOL Colatina, diretor do Sindibancários
  40. Irenilda da Penha Pereira – PSOL Colatina, diretora do Sind. Serv. Colatina
  41. Irinéia Almeida – Psol de Vitória, professora
  42. Iuri Soares de Azevedo – Psol de Colatina
  43. Ivaldo Rosa Albano – PSOL Vitória, diretor do Sindibancários e da AMJAP
  44. Janice Gusmão – PSOL Serra
  45. Janine Teixeira – PSOL Vitória. Base do Sintufes
  46. Jeferson Pirola – Psol de Vila Velha.
  47. Jessé Alvarenga – PSOL Vitória, diretor do Sindibancários
  48. João Bosco Teixeira – PSOL Linhares, diretor do Sindibancários
  49. João Paulo Gusmão Teixeira – Psol de Linhares, estudante.
  50. Jocarly Duarte – PSOL Vitória, ferroviário aposentado.
  51. Joel Pinto de Oliveira – Psol de João Neiva, autônomo.
  52. Joelma Santos Lopes – PSOL Conceição da Barra.
  53. Jonas Freire – PSOL Vitória, Coordenador geral do Sindibancários
  54. Jonas Simoura – PSOL Santa Maria de Jetibá, Pajeú e ME da UFES
  55. Jonathas Correia – PSOL Vitória, diretor do Sindibancários
  56. José Castelo Filho – Psol Vitória, Associação de Moradores de Jesus de Nazaré
  57. José Roberto Gomes – Presidente PSOL Vila Velha. Base do Sindipúblicos
  58. Josmar Martins Duarte – PSOL Serra, militante dos Direitos Humanos.
  59. Juciléia da Rocha de Oliveira – Psol de Colatina
  60. Juliana Cruzio – Psol de Colatina
  61. Júlio Passos – PSOL Vitória, diretor do Sindibancários
  62. Jussara Menezes – Psol da Serra, servidora da UFES
  63. Kelly Lucas Silva – Psol Vitória, coletivo Sindiupes pela Base
  64. Kelton André Lopes da Cunha – Psol de Conceição da Barra
  65. Kerley Soares Herculano – PSOL Linhares, diretora do Sindibancários
  66. Laureni Araújo França -Psol de Vitória, ativista popular
  67. Leonardo Cursino Teixeira – Psol de Vila Velha, coletivo Sindiupes pela Base
  68. Letícia Moreira Bragato – Psol de Venda Nova do Imigrante, estudante
  69. Liudimila Katrini – PSOL Vila Velha, coletivo Sindiupes pela Base
  70. Lucas Lacerda Prado – Psol de Conceição da Barra
  71. Lucimar Cruzzio de Moura – Pso Colatina, entidade de mulheres negras Zacimba Gaba
  72. Lucimar de Souza Barbosa – PSOL Vila Velha, Diretora do Sindibancários
  73. Lucinéia Maria de Almeida – Psol venda Nova do Imigrante, educadora especial
  74. Ludimila Percini dos Santos – PSOL Cariacica, jornalista
  75. Marcela Almeida Brandão – Psol Vitória
  76. Marcelo da Costa Brandão – Psol Vitória
  77. Marcelo Damascena – Psol de Colatina
  78. Marcionílio Mendes – PSOL Vila Velha, As. Moradores Garanhuns
  79. Marco Antônio Rodrigues – PSOL Cachoeiro, diretor do Sindibancários
  80. Marco Antônio Villas Boas Aguiar – Psol de Vitória, servidor público federal.
  81. Maria Auxiliadora Gabriel – PSOL Vitória, e xxx
  82. Maria Bernadete Vieira Martins- PSOL Vitória, base do Sindibancários
  83. Maria da Penha dos Santos – Psol da Serra, aposentada.
  84. Maria do Carmo O. Cossi – PSOL Colatina, diretora do Sind. Serv. Mun. Colatina
  85. Maria Geralda Araújo Adão Silva – Psol de Pedro Canário, professora
  86. Maria Helena Elpídio Abreu – Psol Vitória, professora da UFES
  87. Maria Moreira Bragato – Psol de Venda Nova do Imigrante – Educadora
  88. Marília Cruzzio Avelino – Psol de Colatina
  89. Marília Moreira Bragato – Psol de Venda Nova do Imigrante, advogada.
  90. Matheus Lucas Alves dos Santos Souza – Psol de Vila Velha.
  91. Micheline S.Sobrinho Ramos – Diretório Estadual PSOL, diretora Sind. Serv. Colatina
  92. Mônica Alves de Faria – PSOL Vila Velha, coletivo Sindiupes pela Base
  93. Natanael Cândido – Psol de Colatina
  94. Nivaldo da Silva Júnior – Psol Conceição da Barra, professor
  95. Patrick José Moraes – Presidente do Psol de Guaçuí.
  96. Paulo Soares- PSOL Vitória, diretor do Sindibancários
  97. Pedro Paulo Marinho Coelho – Psol de Vitória, estudante
  98. Penha Págio Lucas – Psol Cariacica
  99. Rafael Págio Lucas – Psol Cariacica, estudante
  100. Rafael Potratz – Psol Santa Maria do Jetibá, arquiteto urbanista.
  101. Regina Célia dos Santos Barreiros – Psol de Conceição da Barra
  102. Reginaldo Andrade – Psol de Pedro Canário
  103. Renata Rodrigues Garcia – Diretora do Sindicato dos Bancários
  104. Ricardo Melo Souza – Psol de Conceição da Barra
  105. Rita Lima – Executiva do PSOL/ES, diretora do Sindibancários e Corrente Sind. e Pop. Resistência e Luta
  106. Rodolfo Fernandes do Carmo – Psol de Vitória, advogado trabalhista
  107. Rodrigo Carvalho Santos Lima – Psol de Vitória, professor.
  108. Romário Nogueira – Psol Serra, servidor público estadual
  109. Ronaldo Feliciano – Presidente do PSOL de Pedro Canário
  110. Ronaldo Oakes de Oliveira – Psol de Venda Nova do Imigrante.
  111. Rondinelli Eleotério – PSOL Colatina e Movimento de Negros e Negras
  112. Rosalba Lima Coutinho – Psol de Vitória, coletivo Sindiupes pela Base.
  113. Sandra Aparecida de Almeida – Psol de Venda Nova do Imigrante, Assistente Social
  114. Sandra Marilza Cruzio – PSOL Colatina e Diretora do Sind. Serv. Públicos de Colatina
  115. Sandylea Gonçalves Roberts – Psol da Serra, servidora municipal.
  116. Sara Libina Cruzio – PSOL Colatina, Pajeú e ME da UFES
  117. Sebastião Pedro das Chagas – Psol Santa Maria do Jetibá, agricultor familiar
  118. Simone Baia – Psol de Vitória, Fed. Nacional de Engenheiros/as – FISENGE.
  119. Swami Bérgamo – Diretório do PSOL de Santa Maria de Jetibá e coletivo Sindiupes pela Base
  120. Talison Almeida – Diretório Estadual do PSOL.
  121. Terezinha da Rocha – Psol de Colatina
  122. Thiago Duda – Psol Serra, diretor do Sindibancários
  123. Thiago Guimarães Almeida – Psol Cachoeiro, diretor do Sindibancários
  124. Ucerly Cardoso Ferreira – Psol de Colatina
  125. Valdivio Prates – Psol de Aracruz.
  126. Vandelino da Silva – PSOL de Cariacica
  127. Victor Ramos Ferreira – Psol de Vila Velha, estudante.
  128. Vinicius M.M. Silva – Presidente PSOL Vitória e diretor do Sindibancários
  129. Wallas Douglas da Silva Alves – Psol de Conceição da Barra
  130. Wilson Júnior – Tesoureiro Estadual do PSOL, poeta, educador popular

 

Maranhão

  1. Aline Maria dos Santos Pereira–  PSOL São Luis – MA
  2. Raimundo Nonato Penha Soares – Psol São Luis – MA
  3. Valdeny Barros – Candidato a Prefeito 2016 de São Luis – MA

 

Mato Grosso

  1. Vitor Paulo Morais de Souza – Diretório Estadual e Municipal de Cuiabá – MT
  2. Adalberto Casariam da Silva – PSOL Mato Grosso

 

Mato Grosso do Sul

  1. Anisio Guató – PSOL Corumbá – MS
  2. Ivan Camilo da Costa – PSOL Corumbá – MS
  3. Jolise Roseane Charupá Duarte – PSOL Corumbá – MS
  4. Luiz Vacca Ligerão – PSOL Corumbá – MS
  5. Professor Renan – Psol Corumbá- MS
  6. Professora Rosinha – Federação dos trabalhadores de educação do MS -Psol Corumbá
  7. Rudney Soares de Paula – PSOL Corumbá – MS
  8. Severino Costa de Souza – PSOL Corumbá – MS
  9. Vanderson Abdel Duarte- Psol Corumbá-MS

 

Minas Gerais

  1. Mauricio Souza Matos – PSOL Belo Horizonte – MG
  2. Maria Angela Ferreira da costa – Presidenta Municipal do PSOL Juiz de Fora, candidata a prefeita na eleição 2016 e Diretora da FASUBRA.

 

Pará

  1. Adailton Aquino – MOV.SINDICAL-BELÉM
  2. Adelino do Socorro P. Bessa – movimento popular MLP-MARITUBA
  3. Adílio Costa Mendes-MLP-CASTANHAL
  4. Aguinaldo Soares – MOV.SINDICAL-BELÉM
  5. Ajax Vantuir Costa Machado – MOV.SINDICAL-BELÉM
  6. Alberto de Andrade Junior-Coordenador Geral do SINTEPP- PSOL/ANANINDEUA
  7. Aldenete Acácio de Oliveira – mov de luta antimanicomial- PSOL/BELÉM
  8. Aldilene Ferreira Andrade – PSOL/ANANINDEUA
  9. Alessandra Pereira dos Santos-MOV POPULAR MLP-BELÉM
  10. Aline Ewertton de Sousa – PSOL-BELÉM
  11. Álvaro Nazareno Silva- COORD REGIONAL DO SINTEPP- PSOL/COLARES
  12. Amanda Kassia Brito Ramos -MOV. MULHERES-PSOL/ALTAMIRA
  13. Ana Debora Mendes Bessa-PSOL/MARITUBA
  14. Ana Marilha Garcia Gonçalves-PSOL/BELÉM
  15. Ana Regina Silva – MOVIMENTO POPULAR-PSOL/BELÉM
  16. Andre do Vale Carneiro-PSOL/BELÉM
  17. ANDRE OLIVEIRA SILVA – coordenador Sintepp, vereador psol/irituia
  18. Andrea Salustiano – COORDENADORA GERAL SINTEPP/ANANINDEUA DMPSOL/ANANINDEUA
  19. Andrelina da Conceição Nonato (Dedé) – MOVIMENTO POPULAR MLP-BELÉM
  20. Andrey Alves Matos- MOV.ESTUDANTIL- BELÉM
  21. Antonio Eduardo das N Nascimento – MOV.ESTUDANTIL-QUATIPURU
  22. Antônio Carlos Martins Barros- Presidente do DMPSOL-ANANINDEUA
  23. Aparecida Cirlene Cabral – COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SINTEPP – DMPSOL/JACUNDÁ
  24. Arthur Roberto D Oliveira Vasconcelos-PSOL/BELÉM
  25. Benedita da Conceição Nonato-PSOL/BELÉM
  26. Benedito José Correa -COORDENADOR ESTADUAL DO SINTEPP – DMPSOL/ACARÁ
  27. Bernardino Emilio Torres Filho -MOV.ESTUDANTIL – PSOL/ALTAMIRA
  28. Bernardo da Conceição Matos de Holanda-BELÉM
  29. Bruna Cavalcante – MOV.DE MULHERES/NEGRAS/ESTUDANTIL- PSOL/CASTANHAL
  30. Carla Rebeca Portal Sarmento- PSOL/BELÉM
  31. Carlos André (Carlinhos)-MOV.SINDICAL-PSOL/BELÉM
  32. Carlos Antônio da Costa Santiago-MOV.POPULAR- PSOL/CANAÃ DOS CARAJÁS
  33. Carlos Henrique Brito Ramos -MOV.ESTUDANTIL- PSOL/ALTAMIRA
  34. Cauã Rodrigo Ramos Cruz-MOV.SINDICAL- PSOL/BELÉM
  35. Charles Cristie Ferreira Ribeiro-PRESIDENTE DO PSOL/JACUNDÁ
  36. Cibelli Conceição Costa e Silva – PSOL/CAMETÁ
  37. Cícero Cleidson B da Silva-PSOL/CASTANHAL
  38. Cristian Souza-MOV.SINDICAL- PSOL/BELÉM
  39. DAGILA GLEICE SANTOS DO CARMO – coordenadora Sintepp Bragança – Psol /Bragança
  40. Damião Modesto Damasceno-MOV.POPULAR – PSOL/CASTANHAL
  41. Daniel da Silva Nogueira- PSOL/ANANINDEUA
  42. Daniel de Souza da Vera Cruz-MOV.POPULAR-PSOL/MARITUBA
  43. Daniele Soares-MOV.DE MULHERES- PSOL/ALTAMIRA
  44. Dawson Luis Scarpo-MOV.SINDICAL- PSOL/XINGUARA
  45. Débora Benedita- PSOL/CAMETÁ
  46. Delicia Viera Maciel-PSOL/JACUNDÁ
  47. Deodato Paiva da Vera Cruz Junior-MLP-PSOL/MARITUBA
  48. Dionizia Herica Ferreira de Azevedo-BELÉM
  49. Edevaldo Melo de Barros-MOV.SINDICAL-BELÉM
  50. Edilena Pena da Silva-MOV.SINDICAL-BELÉM
  51. Edina de Assunção Ribeiro-MLP-BELÉM
  52. Edina Maria Braga de Oliveira-MLP-BELÉM
  53. Ediney de Jesus Moraes-BELÉM
  54. Edivaldo Monteiro Andrade-DMPSOL-ANANINDEUA
  55. Edson Fernando Mota de Miranda-DMPSOL-ANANINDEUA
  56. Elaine Pacheco Ferreira-MOV.ESTUDANTIL-CASTANHAL
  57. Elder Vieira – Psol/Muaná
  58. Eliane Braga-CAMETÁ
  59. Elisabeth Gonçalves Lopes Mendonça (Betinha)-MLP-BELÉM
  60. Elisangela de Souza Batista-MLP-BELÉM
  61. Eliziário Neto-ANANINDEUA
  62. Eloy Ferreira Borges – COORD.DISTRITAL SINTEPP BELÉM
  63. Eunice Portal Pinheiro-BELÉM
  64. Expedito Jorge Farias de Brito-MLP-BELÉM
  65. Expedito Pereira de Brito-MLP-BELÉM
  66. Fabio Roberto Sanches Amaral-BELÉM
  67. Fabricio de Maia Vieira-BELÉM
  68. Fátima de Souza Moreira (Macapá)-MOV.SINDICAL-BELÉM
  69. FERNANDA AUGUSTA MELO CARDOSO -coordenadora regional do Sintepp – Psol/São Caetano de Odivelas
  70. Fernando Antonio Martins Carneiro-DNPSOL/VEREADOR BELÉM
  71. Fortunato de Lima Damasceno-CAMETÁ
  72. Francilene Rocha Lima-DMPSOL-JACUNDÁ
  73. Franciney Moraes Albuquerque (Raulzito)-MOV.LGBT-BELÉM
  74. Francisco Augusto Martins do Carmo-BELÉM
  75. Francisco Barreto Brasil Neto-BELÉM
  76. Francisco de Souza Santos-MOV.POPULAR-CASTANHAL
  77. Francisco Silvani Da C. Batista-MOV. POPULAR-CASTANHAL
  78. Francisco Silvino da C. Batista-MOV. POPULAR-CASTANHAL
  79. Francisco Sinval Batista-MOV.POPULAR-CASTANHAL
  80. Geisianne da Silva Dias-MOV.SINDICAL/MOV.LGBT-BELÉM
  81. Gerson de Jesus Brito Rodrigues-DMPSOL-ANANINDEUA
  82. Gilmar Roberto Santos-MLP-BELÉM
  83. Gilson Rodrigues Ribeiro-MLP-BELÉM
  84. Gleice Cistina Almeida-BELÉM
  85. Hanerea Ramos da Cruz-BELÉM
  86. Heber Silva Souza da Cunha-MOV. SINDICAL-PARAUAPEBAS
  87. Helena Maria Castro da Silva-MOV.SINDICAL-BELÉM
  88. Helessandra de Nazaré da Conceição Nonato-MLP-BELÉM
  89. Hellem de Cássia S e Silva-CASTANHAL
  90. Hermison Bruno Baia Palheta-DMPSOL-PORTEL
  91. Hildeide Franklin Ferreira de Aviz-MARITUBA
  92. Iraldo de Novaes Veiga-MOV.SINDICAL-BELÉM
  93. Ivanildes Soares Silva-JACUNDÁ
  94. Ivonete da Silva Dias-BELÉM
  95. Jair Pena de Souza-MOV.SINDICAL-ANANINDEUA
  96. Janaina Rodrigues de Miranda-MLP-BELÉM
  97. Janisley de Siqueira Barsanulfo-MOV.SINDICAL-XINGUARA
  98. Joaldo Machado-JACUNDÁ
  99. Joandson Rodrigues de Miranda-BELÉM
  100. João Batista Amaral Ferreira-BELÉM
  101. João Paulino da Cunha Maciel-MLP-BELÉM
  102. João Vitor Fernandes Martins-JUVENTUDE-MARITUBA
  103. John Lennon dos Santos França-CASTANHAL
  104. JOCILEIA PINTO MIRANDA – coordenadora regional Sintepp – Psol/Bragança
  105. Joise Helena Silva de Lima-BELÉM
  106. Jorge da Conceição Nonato-BELÉM
  107. José Alacid da Silva-DMPSOL-CASTANHAL
  108. José Augusto Ewerton de Sousa-DMPSOL-BELÉM
  109. José Augusto Favacho de Souza-BELÉM
  110. José Carlos de Deus da Silva-BELÉM
  111. José Flavio Silva Corrêa – MOV.SINDICAL – BELÉM
  112. José Luiz Miranda (Zezinho)-MOV.SINDICAL-ACARÁ
  113. José Mateus Rocha da Costa Ferreira – MOV.SINDICAL-BELÉM
  114. José Rodrigues de Carvalho – MOV.SINDICAL-REDENÇÃO
  115. Joselene Ferreira Mota – MOV.SINDICAL-BELÉM
  116. Joye Botelho – coordenadora Sintepp/Cametá – Psol/Cametá
  117. Karina Laurena Paes Damasceno-BELÉM
  118. Kélvia Romano – Geógrafa e Profa.- PSOL ANANIDEUA
  119. Kelly Mara Nonato Correa-BELÉM
  120. Larissa Azevedo Mendes – mov. Direitos humanos/psol Belém
  121. Lázaro José da Silva Verçosa-ALTAMIRA
  122. Leonardo Vinicius Almeida Rodrigues – MOV.ESTUDANTIL BELÉM
  123. Luana Dandara Baia Pinheiro Mores-BELÉM
  124. Luciana Noleto Borges-JACUNDÁ
  125. Lucirene Meira-JACUNDÁ
  126. Luiz Eládio dos Santos-JACUNDÁ
  127. Madson Wagner Dutra de Lima-BELÉM
  128. Maiza Maiara Ferreira Soares-JUVENTUDE-BELÉM
  129. Manoel Messias -MOV.SINDICAL- SÃO DOMINGOS CAPIM
  130. Manuela Carvalho Rodrigues – MOV.SINDICAL-ANANINDEUA
  131. Mara Andreza Teixeira Gouveia-BELÉM
  132. Marcelo Flávio da Paz Rodrigues – MOV.SINDICAL- REDENÇÃO
  133. Marcos Antônio Luz Soares – EXEC.ESTADUAL PSOL PARÁ
  134. Marcos de Jesus Moraes-ALTAMIRA
  135. Maria Célis Vieira-BELÉM
  136. Maria Cirlei Cabral -JACUNDÁ
  137. Maria da Conceição Oliveira Holanda – MOV.SINDICAL BELÉM
  138. Maria das Graças Maia Vieira-BELÉM
  139. Maria de Nazaré Araujo de Andrade – MOV.SINDICAL BELÉM
  140. Maria de Nazaré de Souza Cavalcante – CASTANHAL
  141. Maria de Nazaré F. Soares (ROSA) – EXEC.MUNICIPAL PSOL-BELÉM
  142. Maria Dina Pereira de Sousa Carvalho – MOV.SINDICAL-REDENÇÃO
  143. Maria Dulcicléia Pantoja Lima – MOV.SINDICAL-ACARÁ
  144. Maria Goretti Moraes Correia Lima – BELÉM
  145. Maria Ivanilda da C. Batista – MOV.POPULAR-CASTANHAL
  146. Maria José Barbosa -MOV.SINDICAL-BELÉM
  147. Maria Lucelia Vieira Moia – BELÉM
  148. Maria Luciete (Lucinha) – MLP-ANANINDEUA
  149. Maria Santana Nonato de Castro-BELÉM
  150. Mariana da Cruz Padilha – BELÉM
  151. Marilene da Silva Feijão Pereira Pereira – MOV.SINDICAL-BELÉM
  152. Marilete Deusarita Araújo Carvalho – MOV.POPULAR- ANANINDEUA
  153. Mariza Ingrid Ferreira Soares (MAHGUI) – CA PEDAGOGIA UFPA
  154. Marvin Williams Silva da Silva – BELÉM
  155. Matheus Lorhan Rocha de Brito – JUVENTUDE-CASTANHAL
  156. MARTHA VIEIRA BRITO – Psol/Salinópolis
  157. Maura Silvia Santos Barroso – DIREÇÃO SINTPREVSPA-
  158. Maurilo Estumano – COORD.ESTADUAL SINTEPP-PA
  159. Mauro da Conceição Borges- SECRETÁRIO GERAL SINTEPP PA
  160. Melissa Campelo Noguichi – MOV.DE DIREITOS A MOBILIDADE-BELÉM
  161. Michelle Jacqueline Oliveira Duschl – BELÉM
  162. Miguel Tourinho da Costa Filho – MOV.SINDICAL ANANINDEUA
  163. Milene Ewerton Cunha-BELÉM
  164. Milton Pereira Lima-REDENÇÃO
  165. Mônica Brito Soares-PRESIDENTE PSOL- ALTAMIRA
  166. Mônica Emilia Cunha Ewerton – MOV.SINDICAL-BELÉM
  167. Monica Sirlene Nascimento Trindade-BELÉM
  168. Muller Maia Vieira – MLP-BELÉM
  169. Murilo Carvalho Rodrigues -MOV.DE DIREITOS A MOBILIDADE-BELÉM
  170. Nazaré Filho Ramos Sales-ALTAMIRA
  171. Nazareno Dias Pedrosa dos Santos-BELÉM
  172. Patricia de Jesus Ferreira-CASTANHAL
  173. Paulo Sergio Silva-BELÉM
  174. Pedro Ivo Carvalho de Castro – BELÉM
  175. Pedro Silva Cavalcante -DMPSOL-PARAUAPEBAS
  176. Rafael Nonato Aires-BELÉM
  177. Raiane de Deus Souza-BELÉM
  178. Raimundo Amilson de Sousa Pinheiro – COORD.GERAL REG.METROPOLITANA SINTEPP PA
  179. Raimundo Carvalho dos Santos-JACUNDÁ
  180. Raimundo do Socorro de Souza Coelho – CAMETÁ
  181. Raimundo Marcelo Góes da Silva -DMPSOL ANANNIDEUA/COORD.MUNIC SINTEPP ANANINDEUA
  182. Raimundo Pereira Moura Martins – DMPSOL-PARAUAPEBAS
  183. Raimundo Trindade-DIRETOR SINTPREVS PA
  184. Rayme de Sousa da Silva-BELÉM
  185. Renan do Vale Trindade-BELÉM
  186. Renato Bitencourt Tavares – PSOL BELÉM
  187. Renato Cesar Araujo de Castro – COORD DISTRITAL SINTEPP-BELÉM
  188. Renato Damasceno-CAMETÁ
  189. Renato de Sousa Silva (Renato Caranã) – MOV.SINDICAL/CASTANHAL
  190. Renildo Evangelista Pinto-REDENÇÃO
  191. Ronaldo Lima Rodrigues – MLP BELÉM
  192. Ronaldo Oliveira da Rocha – COORD ESTADUAL SINTEPP-PA
  193. Rosa Cristina Autran Andrade – BELÉM
  194. Rosa Helena Lobato de Figueiredo-BELÉM
  195. Rosa Maria Monteiro da Silva-CASTANHAL
  196. Rosa Olívia da Costa Barradas – COORD.REG.METROPOLITANA SINTEPP PA
  197. Rosângela Cecim Albin -MOV.DE LUTA ANTI MANICOMIAL BELÉM
  198. Rosemary Garcia Gonçalves-BELÉM
  199. Rosemiro Laredo Fiel-PARAUAPEBAS
  200. Rosiane Sarmento Vieira (Rosinha) – BELÉM
  201. Rosivan Pinto Cruz-CAMETÁ
  202. Rubenixson Ribeiro Farias – COORD.REG NORDESTE II/DMPSOL CASTANHAL
  203. Ruth Helena da Silva Salvador -MLP BELÉM
  204. Ruy Guilherme Carvalho Pinheiro – MOV.SINDICAL ANANINDEUA
  205. Sandra Maria Azevedo dos Santos – COORD.REG.METROP SINTEPP PA
  206. Sara Raquel Pinheiro Portal -JORNALISTA/MOV.SINDICAL BELÉM
  207. Saymon Augusto dos Santos Silva – MOV ESTUDANTIL/BELÉM
  208. Seani Eliza Trindade de Deus-BELÉM
  209. Seli Gomes dos Santos -JACUNDÁ
  210. Shayane de Deus Silva-BELÉM
  211. Silvana Gomes de Jesus-JACUNDÁ
  212. Sirlei Rodrigues De Carvalho – MOV.SINDICAL REDENÇÃO
  213. Soane Elvina Trindade de Deus-BELÉM
  214. Suellen Letícia Nascimento – BELÉM
  215. Tereza Cristina Ribeiro (Cris Tapuia) -MOV.INDIGINA/BASE SINASEFE
  216. Tássia Cristina da C B Taurino-Bióloga/Pesq. Comunidades Tradicionais/PSOL Ananindeua
  217. Thais de Nazaré dos Santos Bastos -MOV.SINDICAL BELÉM
  218. Tiago Augusto Pires Moreira-BELÉM
  219. Toni Gomes -DMPSOL JACUNDÁ
  220. Valdilene Rodrigues da Cunha-CASTANHAL
  221. Vanildo Pereira da Cruz – COORDENADOR REGIONAL SUDESTE SINTEPP-PA/PSOL JACUNDÁ
  222. Vladimir Barbosa Lameira – COLARES
  223. Wellington Alfaia – BELÉM
  224. Wesley Jeferson Alves -CASTANHAL
  225. Williams Antônio Silva da Silva – COORDENADOR SINTEPP-PA
  226. Wilson Bruno da Silva Borges -PSOL BELÉM
  227. Zaira Valeska Fonseca – DIREÇÃO GERAL SINDUEPA

 

Paraíba

  1. Nelson Junior – Vice Presidente Estadual Do Psol Da Paraíba
  2. Fabiano Galdino – Secretário Geral Do Psol De João Pessoa
  3. Josean Silva – Executiva Estadual Psol Da Paraíba
  4. José Silva – Presidente Municipal Do Psol De Santa Rita

 

Piauí

  1. Osmarina Moura – PSOL Piauí

 

Rio Grande do Sul

  1. Adriana Flores Arend – PSOL Porto Alegre
  2. Airton Garcez – PSOL Porto Alegre
  3. Denise Beatriz Rosito Laitano – PSOL Porto Alegre
  4. Luiz Cesar da Costa – PSOL Porto Alegre
  5. Vitória Flores Arend de Figueiredo – PSOL Porto Alegre
  6. Zadelene Zaro – PSOL Porto Alegre

 

 

Rio de Janeiro

  1. Carlos Faleiro – Diretório Estadual RJ
  2. César Araújo – Presidente Sinpro – PSOL Macaé
  3. Daniela Franco – Professora Universitária – Campos – RJ
  4. Danieli Machado – Feminista PSOL – RJ
  5. Eva Dionizio – Sepe Rio das Ostras – RJ
  6. Fabio Gomes da Ressurreição- Motorista/Psol- Queimados
  7. Gabriel Galvão Vieira- Estudante/Militante do Psol -Nova Iguaçu e do Núcleo do Psol Bairro da Luz
  8. Guilhermina Rocha – Diretora Sinpro – PSOL Macaé
  9. Joel dos Santos – PSOL Queimados
  10. Jonathan Rochas Pinheiro da Silva- Estudante /Militante do Psol- Nova Iguaçu e do Núcleo do Psol Bairro da Luz
  11. Jorge Luiz de Assis- Militante do Psol -Queimados
  12. José Luis dos Santos (gordo) – Secretário de Finanças do PSOL de Queimados
  13. Juventino Barros Filho – PSOL de Nilópolis
  14. Leci Carvalho e Silva – Secretária Geral do PSOL de Nova Iguaçu, Professora da Rede Pública de ensino, Movimento de Educação e Candidata a Prefeita de Nova Iguaçu 2016.
  15. Magda Medeiros Furtado – Coordenadora Geral Sindscope/Seção Sinasefe
  16. Márcia Maria da Cunha – Militante da Educação e Professora da Rede Pública de Ensino.
  17. Marcos Suel Lopes da Silva-servidor público do TJ/ militante do Psol -Nova Iguaçu e Núcleo do
  18. Marinalva Rodrigues de Melo- Professora da Rede Estadual/ Direção do Psol-Nova Iguaçu
  19. Mirelly Majid Magalhães Molon-Professora de Geografia/ Militante do Psol.
  20. Ney Carvalho e Silva- Professor da Rede Estadual e Municipal/Militante da Educação e do Psol de Queimados
  21. Nildo Faustino – Presidente Psol Nilópolis – RJ
  22. Psol-Bairro da Luz
  23. Rafael Diogo dos Santo Ferreira- Militante do Psol-Nova Iguaçu
  24. Ricardo Sampaio da Silva – Diretório Municipal do Psol de Nova Iguaçu.
  25. Rosilene Macedo – Diretora Sinpro-Macaé-RJ
  26. Sandra Regina Gomes – Presidente Municipal do Psol Mesquita e Militante da Educação
  27. William Matheus da Cruz Souza- Estudante de ciências sociais e Coordenador de Comunicação do DCE UFRRJ
  28. Yure Famini – PSOL Nova Iguaçu e Estudante de Direito.

 

Roraima

  1. Angela Maria Cavalcante Souto – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL/RR, Professora da Educação básica, Militante da base do SINTER
  2. Elvira Alzira da Fonseca – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL/RR, Servidora federal, aposentada da base da educação
  3. Érica Joyce Rodrigues Cavalcante – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL/RR, Professora da educação básica,  Militante da base do SINTER
  4. Eunice Machado Moreira – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL-RR, Oficiala de justiça, militante da base do Sintjurr
  5. Evely Mary Rodrigues Cavalcante, Pedagoga, Servidora federal e simpatizante do PSOL.
  6. Fabrício Araújo – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL-RR, Acadêmico de jornalismo da UFRR e Militante LGBT
  7. Mariana Cavalcante Lira – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL/RR e Acadêmica de psicologia da UFRR
  8. Rosicleide Pereira de Araújo, Professora federal da base do SINTER; Integrante do Núcleo Rosa Luxemburgo- PSOL/RR
  9. Sandra Moraes da Silva Cardozo – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL/RR, Professora da UFRR e militante da base da Sesduf
  10. Ubiratan Rocha Brito – Núcleo Rosa Luxemburgo do PSOL-RR Professor da Educação básica e Militante da base do SINTER

 

Santa Catarina

  1. Joana Dark Jaxuka Mirin – PSOL Florianópolis e Movimento Indígena;

 

São Paulo

  1. Adriano da Silva – PSOL São Paulo
  2. Ajurimar Matos- PSOL capital – gerente escolar
  3. Alexandre Pinheiro Costa- PSOL capital- Sinpeem
  4. André Lopes Loula – PSOL São Paulo – Apeoesp
  5. Antônio Bonfim Moreira – PSOL Capital, Sinpeem e educação em SP – Sinpeem
  6. Antônio Carlos da Cruz (Tonhão) – PSOL Campinas e Oposição metalúrgica Campinas
  7. Ataíde Santiago da Cruz – PSOL Campinas- Associação de moradores
  8. Bruno Carvalho de Oliveira – PSOL capital- escola da família
  9. Cleonice Angelini- PSOL São João da Boa Vista – Apeoesp
  10. Clovis dos Santos Junior – PSOL Capital, Sinpeem e educação de SP
  11. Elderson Nogueira Ferreiro- PSOL Campinas-Estudante
  12. Eliana Cristina da Silva – PSOL capital-
  13. Felipe Zitt Vicente- PSOL capital- Assistente Social
  14. Gilberto Alves- PSOL Campinas- metalúrgico
  15. Jacob Teubl – PSOL Araraquara
  16. Jaime Oliveira Santos – PSOL Campinas e Servidores Públicos do Município de Campinas
  17. Jean Zeferino – PSOL Campinas IFES/Campos do Jordão
  18. José Roberto Marques- PSOL capital-. Sinpeem-
  19. Juliane Fernanda da Silva – PSOL capital
  20. Kayque Ferraz Costa – PSOL São Paulo e Movimento Estudantil
  21. Lucas Bataglini – PSOL São Paulo- Apeoesp
  22. Luciana Aparecida da Silva – PSOL capital- Apeoesp.
  23. Márcio Fernando Aranha- PSOL capital-Sinpeem
  24. Marcos Muller- PSOL capital
  25. Maria Aparecida de Lima- PSOL Campinas
  26. Maria de Fátima Costa Santos – PSOL Franco da Rocha – APEOSP
  27. Natália Gonçalves Felissimo- PSOL capital – Sinpeem-
  28. Patricia Andreia Carreteiro – PSOL São Paulo
  29. Patrick Santana de Souza – PSOL capital- Estudante
  30. Paulo Bonfim – PSOL capital, IFES/São Paulo
  31. Pedro Paulo Vieira – PSOL capital, APEOSP e Direção Nacional Intersindical
  32. Reni Martins- PSOL Campinas-metalúrgico
  33. Sandra Aparecida Gonçalves – PSOL São Paulo – Apeoesp
  34. Silva Maria- PSOL capital-Sinpeem
  35. Solange Andreoletti- PSOL capital-Apeoesp
  36. Sonia Maria Mesquita – PSOL capital- promotora de vendas
  37. Sonia Regina Cordeiro- PSOL São João da Boa Vista – Apeoesp
  38. Stefani Mesquita da Silva – PSOL capital- Estudante.
  39. Tiago Pereira Silva – PSOL Campinas e Movimento Estudantil
  40. Vânia Maria de Oliveira – PSOL São Paulo. Cabeleireira

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: