Notícias

Fora Temer. Eleições Gerais!

Nota da APS - Ação Popular Socialista.

O Senado Federal referendou a decisão da Câmara dos Deputados e aprovou a admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff.

Fora Temer! Eleições Gerais!

O desenrolar previsível do processo veio depois de uma Câmara de Deputados de maioria corrupta e fisiológica, dirigida por um deputado comprovadamente corrupto e ligado aos
esquemas mais sombrios da política a serviço do grande capital e dos setores culturais e políticos mais reacionários, aprovar a abertura do processo de impeachment da presidente.
O governo sofreu sucessivas derrotas no STF, o mesmo que, só agora, depois de cinco meses do pedido da PGR, suspendeu o mandato de Eduardo Cunha.

O processo de impeachment está sendo golpista por não ter um crime de responsabilidade caracterizado, por ter sido marcado por arbitrariedades e manipulações nas investigações, e por ter sido conduzido por um presidente da Câmara (Eduardo Cunha) que já deveria ter sido cassado de seu mandato.
O governo de Temer, além de marcado pela ilegitimidade, ilegalidade e corrupção, deverá tomar medidas para aprofundar e ampliar medidas antipopulares e antinacionais que, em grande parte, já vinham sendo praticadas pelo governo Dilma: como o ajuste fiscal, as privatizações, corte de verbas de políticas sociais, saúde, educação, quebra de direitos trabalhistas e previdenciários, etc.
Além disso, pela a significativa base parlamentar conservadora eivada de ultra liberalismo econômico e fundamentalismo religioso, tendo alguns com caráter tipicamente fascista, indica que o novo governo será reacionário do ponto de vista cultural e de classe, revertendo conquistas históricas (algumas até mesmo anteriores à Constituição de 1988) dos trabalhadores e setores oprimidos, pobres, negros, mulheres, LGBT, indígenas, além de intensificador da destruição ambiental. Inclusive parte das conquistas que sobreviveram aos ataques sofridos durante dos governos de Collor, FHC, Lula e Dilma. Tentarão também bloquear o Lava Jato, de modo a impedir a investigação de todos os corruptos (como Aécio neves e o próprio Temer) e não somente os do PT.
Para viabilizar esta agenda econômica e política, o novo governo deverá tomar medidas ainda mais repressivas para enfrentar a ampliação e endurecimento de conflitos sociais, com criminalização e repressão dos movimentos sindicais e sociais que, de modo geral, não aceitarão passivamente os ataques aos direitos do povo.
Porém, o impeachment de Dilma, mesmo não tendo havido ainda uma comprovação de ilegalidade, se deu também pela perda de legitimidade política e social, devido a ter sido eleita com base num estelionato eleitoral.
Em 2014, se utilizando de técnicas de marketing manipulativo, prometeu manter todas as conquistas históricas dos trabalhadores, o crescimento econômico e algumas políticas compensatórias, e ampliar e melhorar políticas sociais. Depois de eleita, fez tudo ao contrário do prometido, aplicando políticas econômicas e sociais típicas do neoliberalismo mais duro e antipopular. A direita tradicional e o grande capital, analisando a fragilidade do governo, optaram por uma postura mais agressiva e desestabilizadora, indo para a ofensiva. Entretanto, não houve comprovação de crime de responsabilidade que justifique o impeachment.
Mas não se trata de defender um suposto legado positivo dos governos Lula-Dilma-PT (como fazem o PT, o PCdoB e movimentos sociais a eles ligados). Governos que foram fundamentalmente a serviço do capital financeiro, dos latifundiários do agronegócio, das empreiteiras e outros setores do grande capital internacional e brasileiro. Fomos contra o impeachment não por defender estes governos, mas pela ilegalidade do processo.
Michel Temer assumiu o comando de um governo de caráter antipopular e antidemocrático com total falta de legitimidade. Além de ter sido eleito no mesmo estelionato eleitoral de Dilma, assumirá a presidência através de uma conspiração golpista, marcada pela ilegalidade.
Temer tem a mesma rejeição que tem Dilma. Fruto desta rejeição, em sondagens de intenção de voto feita recentemente, não obteve mais do que 2%. Além disso, mais de 60% da população preferem uma nova eleição à posse de Michel Temer na Presidência. Temer tem sido, com frequência, citado nominalmente como envolvido nas acusações de corrupção, com seu nome em listas e várias denúncias de recebimento de propinas de empreiteiras investigadas na Lava Jato.
Com Michel Temer na Presidência, o vice-presidente passa a ser o presidente da Câmara, cargo virtualmente vago em função da suspensão de Eduardo Cunha. Novas movimentações são feitas para destituir Waldir Maranhão (PP-MA) da vice-presidência com o objetivo de substitui-lo por alguém com maior capacidade de articular as medidas impopulares do novo Governo.
Mas a falta de legitimidade não atinge somente o Poder Executivo. O Congresso, Câmara e Senado, recheados de parlamentares corruptos, também não tem legitimidade para escolher um presidente da República, como está fazendo. O presidente do Senado, como o suspenso Eduardo Cunha, está comprovadamente envolvido em diversos casos de corrupção, o que tira a sua legitimidade para dirigir essas casas em situação normal e, ainda mais, em um processo da envergadura de um impeachment.
Até a votação do impeachment na Câmara, concentramos nossa luta em defesa da democracia (contra a manobra golpista do impeachment sem base legal) e contra os ataques do capital, inclusive vindos do governo petista. Isto era correto, pois, naquele momento, defender Eleições Gerais seria contraditório com um de nossos objetivos políticos que era a luta para barrar o impeachment ilegal.
Desde a votação da Câmara, a situação é outra e a tática deve ser outra. Por estas razões, defendemos a realização de novas Eleições Gerais ainda em 2016, casada com a agenda eleitoral municipal. Esta saída é a mais apropriada para devolver ao povo, distante das intrigas palacianas e das obscuras transações realizadas, o destino dos rumos gerais da nação.
Considerando tudo isso, nossa luta será por:
a) Não reconhecer nem a legalidade nem legitimidade do governo Temer, que chega ao governo como resultado de um golpe político palaciano (Fora Temer);
b) Não reconhecer a legitimidade deste Congresso fisiológico e corrupto para impor um novo presidente (Fora Cunha e Renan e sua base de sustentação golpista);
c) Defender a renovação completa dos cargos executivos e legislativos, em outubro de 2016. Eleições Gerais para que o povo possa participar diretamente de uma solução popular para a crise;
d) Conclamar a militância e lutadores sociais a lutar contra o governo ilegítimo de Temer (e não reconhece-lo) e todas as políticas regressivas, inclusive aquelas que começaram a ser colocadas em prática pelo governo petista de Dilma, das mais diversas formas de luta, como manifestações, dias de luta, greves, ocupações, e nas redes sociais, etc;
e) Nenhum direito social, político e cultural a menos!
f) Em defesa das Liberdades Democráticas e contra a criminalização das lutas e movimentos sociais!
g) Manter a crítica e oposição às políticas implementadas pelo governo Dilma-PT, que nunca nos representou.
h) Manter a oposição de esquerda na luta e construir uma alternativa verdadeiramente de esquerda, democrática e popular dos trabalhadores!

Resistência Popular rumo ao Socialismo!
Ousando Lutar, Venceremos!

APS – Ação Popular Socialista
(Corrente que atua no PSOL e nos movimentos sociais)

12 de maio de 2016

foto resolução eleiçoes gerais

1 comentário em Fora Temer. Eleições Gerais!

  1. Eleições Gerais Já!

    Curtir

Deixe uma resposta para magdafurtado Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: