Notícias

PLP 39/2020 do Senado ataca os trabalhadores

O PLP 39/2020 é um ataque aos trabalhadores do setor público e um favor ao sistema financeiro, disfarçado de ajuda aos Estados e Municípios. Aprovado por 79 senadores: desde partidos da extrema direita aos do PT, PDT e PSB. Artigo de Bruno Tito, a seguir.

 PLP 39/2020: Um ataque aos trabalhadores do setor público e favorecimento do sistema financeiro disfarçado de ajuda fiscal aos Estados e Municípios

Por Bruno Tito*

 

O Senado aprovou na noite deste sábado o PLP 39/2020 que prevê socorro financeiro aos Estados e Municípios durante a pandemia do Coronavírus. O projeto, porém, estabelece uma série de contrapartidas que atacam os trabalhadores do setor público, impondo um severo aprofundamento do arrocho salarial e congelamento das carreiras do funcionalismo público, além de comprometer as contas dos Estados e Municípios, a curto prazo, através de questionáveis mecanismos financeiros.

O PLP 39/2020 foi aprovado numa seção atípica, em plena noite de sábado, tendo o próprio Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), como relator. O texto substituiu o projeto original, o PLP 149/2019, que havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados há alguns dias e que estabelecia ajuda financeira aos estados e municípios, sem a necessidade de contrapartidas como o congelamento salarial e de carreira de servidores públicos. O projeto foi aprovado por 79 dos 81 Senadores da República, incluindo os Senadores de partidos ditos progressistas e pró trabalhadores, como PT, PDT e PSB. Apenas o Senador Randolfe Rodrigues (Rede) votou contra. O Senador Ewerton Dias (PDT) não votou porque presidiu a inusitada sessão.

O texto aprovado estabelece um repasse de R$ 60 bilhões da União para os estados e municípios, sendo R$ 10 bilhões destinados para ações de combate ao Coronavírus, nas áreas de saúde e assistência social e R$ 50 bilhões para reposição da queda de arrecadação dos entes federados. O projeto também prevê uma economia de R$ 49 bilhões através da suspensão das questionáveis dívidas dos estados com a União e bancos públicos, além de uma economia de R$ 10,6 bilhões com a renegociação de dívidas contratuais dos estados com organismos financeiros internacionais, que tem a União como garantidor. Para receber a ajuda fiscal, os estados e municípios terão que se comprometer a congelar os salários e carreiras de servidores públicos, com exceção dos servidores da saúde que estão na linha de frente do combate a pandemia e dos militares das forças armadas e auxiliares.

Além da ajuda fiscal aos estados e municípios, o texto trouxe uma série de mudanças na gestão fiscal e orçamentária dos entes públicos, com destaque para chamada securitização de créditos, uma sofisticada engenharia financeira que estabelece um esquema fraudulento de desvios de recursos públicos para investidores privilegiados.

 

Arrocho salarial e congelamento de direitos dos trabalhadores do setor público

O Governo e o Senado aproveitaram o fato de serem obrigados a ajudar os estados e municípios, para aprofundar o arrocho salarial e a destruição de carreiras do serviço público. Para receber a ajuda financeira, os estados e municípios terão que se comprometer a não conceder reajustes salariais para servidores públicos; proibir progressões na carreira de servidores; proibir a contagem do tempo de serviço como período aquisitivo necessário para a concessão de anuênios, triênios, quinquênios, licenças-prêmio e demais direitos equivalentes; e não realizar concursos públicos para novas vagas no setor público. Todas essas medidas até 31 de dezembro de 2021. O projeto também estabelece a proibição do aumento de despesas com pessoal no fim dos mandatos de titulares de todos os poderes e esferas.

Essas imposições ocorrem em meio a um cenário de uma significativa redução de gastos com pessoal da União e dos entes federados, que de dez anos para cá, caíram de 4,8% do PIB para 4% atualmente. Uma queda, que evidencia o arrocho salarial e o desmonte do funcionalismo público. A título de exemplo, no Estado da Bahia, os servidores estão há seis anos sem reajuste salarial.

 

Danos as contas públicas para favorecer ao capital financeiro

O PLP prevê a suspensão dos pagamentos das dívidas dos estados para União e bancos públicos durante todo o ano de 2020. As parcelas suspensas serão incorporadas ao saldo devedor, a partir de 1º de janeiro de 2021, acrescidas de atualizações, juros e multas. Assim, o que pode parecer um alívio momentâneo, significará um peso ainda maior nas contas públicas, já em janeiro de 2021, imposta pela União aos próprios entes federados. Importante destacar que a maior parte dessas dívidas são oriundas do refinanciamento das questionáveis dívidas do estados no final da década de 90, através da Lei 9496/97, que estabeleceu, entre outras medidas, a privatização de bancos públicos estaduais, transferindo os ativos para os bancos privados e transformando o passivo em dívida pública que os estados pagam até hoje à União.

Essas dívidas vêm sendo questionadas pelos Estados ao longo dos anos e recentemente estados como Bahia e São Paulo conseguiram a suspensão dos pagamentos através de decisões do STF. Através desse projeto, o Governo condiciona o repasse da ajuda aos estados, a desistência dos processos de suspensão na justiça e adesão às onerosas condições impostas pelo PLP. Essas mesmas dívidas refinanciadas já foram pagas cerca de 3 vezes e mesmo assim, os estados devem em média 5 vezes o valor original da dívida refinanciada, devido as abusivas taxas de juros, atualizações e encargos.

Ao invés da suspensão onerosa a curto prazo, os governos e órgãos de controle deveriam realizar uma ampla auditoria das dívidas dos estados para verificar os abusos que a União pratica contra os estados para atender aos interesses da banca, e assim liberar essa parte do orçamento que é sequestrado, para o financiamento de políticas públicas. Já que os recursos que a União recebe das dívidas dos estados são destinados para o pagamento da questionável dívida pública da união com os seus credores, muitos deles sigilosos.

O texto aprovado ainda incluiu a chamada “Securitização de Créditos”, um esquema fraudulento que estabelece que a União, estados e municípios possam ceder parte de sua arrecadação tributária e não tributária para o pagamento de novas dívidas, por fora dos mecanismos de controle orçamentário. Um esquema que já vem sendo implementado em alguns estados e municípios, a exemplo de Belo Horizonte, onde uma CPI comprovou graves danos aos cofres públicos. Com essa medida, o Governo e o Senado prejudicam ainda mais as contas públicas, comprometendo a arrecadação, de forma definitiva, com esse processo de securitização, sob o argumento da entrada momentânea de alguns recursos. Uma verdadeira farra do capital financeiro!

 

Alternativas ao PLP 39/2020 que não penalizam os trabalhadores

Ao invés de adotar mecanismos que obriguem os ricos pagarem pela crise, o Governo e o Congresso preferem, como já é de costume, transferir a conta para os trabalhadores. Como alternativa a imposição do arrocho salarial e destruição das carreiras dos servidores públicos, outras medidas poderiam ser adotadas, como a taxação das grandes fortunas, que poderia arrecadar R$ 40 bilhões aos cofres públicos, a taxação dos lucros e dividendos de grandes empresas que poderias arrecadar R$ 232 bilhões e a suspensão de parte da questionável dívida pública, que só neste ano consumirá R$ 409 bilhões de reais. Só com essas medidas, teríamos R$ 681 bilhões para políticas públicas de combate a pandemia e socorro aos estados e municípios. Valor cinco vezes maior do que os R$ 130 bilhões de reais previstos com a economia a ser gerada às custas do arrocho salarial e congelamento de direitos dos trabalhadores do setor público.

O texto agora segue para votação na Câmara dos Deputados. Alcolumbre anunciou logo após a votação que o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), garantiu que colocará o projeto para votação, já nesta segunda-feira (03/05). Importante lembrar que Rodrigo Maia participou do ato do Dia Dos Trabalhadores, a convite das centrais sindicais, com as exceções das centrais CSP Conlutas e Intersindical.

É preciso uma grande mobilização por parte das centrais sindicais e movimentos populares que exija que o mesmo Presidente da Câmara, que foi convidado para o ato do dia das trabalhadoras e dos trabalhadores, bem como os parlamentares do dito campo progressista, rejeitem esse projeto que penaliza os trabalhadores do setor público, favorecendo o capital financeiro.

_________________________________

* Bruno Tito é Coordenador do Núcleo Baiano da Auditoria Cidadã da Dívida, integrante do Comitê Internacional pela Investigação e Anulação das Dívidas Ilegítimas (CADTM) e Secretário Parlamentar da Assembleia Legislativa da Bahia, com atuação na área de orçamento público.

Leia também:

Suspensão do pagamento dos juros e encargos da dívida pública para liberar recursos necessários no combate ao CoronaVírus.

https://acaopopularsocialista.com/2020/04/04/suspensao-do-pagamento-dos-juros-e-encargos-da-divida-publica-para-liberar-recursos-necessarios-no-combate-ao-coronavirus/

Os artigos assinados não representam necessariamente a posição do site

 

 

 

4 comentários em PLP 39/2020 do Senado ataca os trabalhadores

  1. É. O ressentimento que boa parcela da sociedade tem contra o servidor público parece irracional. Afinal, ninguém observa que o servidor ao se aposentar, ao contrário do trabalhador da indústria, comércio etc., ele nenhum fundo de garantia, o famoso FGTS. E mais, ninguém parece honesto ao omitir o esforço de quem abre mão de tudo para se dedicar aos estudos que lhe garante o acesso ao serviço público. O serviço público não é negado nem ofertado a ninguém, ele será ocupado por quem se dedicar mais.
    Que culpa tem os servidores públicos por seus detratores não terem se esforçado?
    A inveja é um sentimento que não salva ninguém.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Vocês são da mesma laia do PT, Boulos é filho de Lula. #ForaPT #foraBolsonaro

    Curtir

  3. Thiago Rebouças de Oliveira // 5 de maio de 2020 às 16:18 // Responder

    Por favor, não congele as progressões dos servidores. Progressões já garantidas em lei.

    Curtir

Deixe uma resposta para Ailson Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: